Tempo
|
A+ / A-

Existem falhas de segurança graves na entrada das cadeias portuguesas

05 ago, 2017 - 12:02

Os dados do serviço de Auditoria e Inspecção da Direcção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, a falta de controlo estará a abrir caminho ao tráfico ilícito de droga e de telemóveis.

A+ / A-

Uma inspecção às cadeias nacionais aponta falhas graves na segurança, noticia este sábado o Expresso.

O serviço de Auditoria e Inspecção da Direcção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais elaborou um relatório que aponta “para uma intolerável falta de controlo na entrada de funcionários das prisões”.

Celso Manata, diretor-geral da Reinserção e Serviços Prisionais, disse estar "estupefacto" com a realidade descrita no relatório. "Como é que é possível desrespeitar desta forma regras imprescindíveis de segurança, que podem fazer perigar toda uma prisão?", questiona.

No relatório pode ler-se que para os visitantes, as normas são genericamente cumpridas, mas quando se trata de trabalhadores (civis ou membros do corpo da guarda prisional) “existe uma intolerável flexibilização de tais procedimentos, não se procedendo à verificação minuciosa dos pertences que cada trabalhador carrega””.

A situação é descrita como ocorrendo em todas as cadeias e sobretudo no fim-de-semana e no período da noite.

Segundo o semanário Expresso, que avança com os dados deste relatório, a falta de controlo estará a abrir caminho ao tráfico ilícito de droga.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ferreira
    05 ago, 2017 Porto 16:09
    Em relação aos telemóveis. Foi sugerido em anos anteriores, a colocação de antenas bloqueadoras de sinal rede telemóvel, no interior das Cadeias. Tal sugestão não foi aceite, nem vista com bons olhos, uma vez que iria interferir nas escutas telefónicas efetuadas pelas entidades competentes. Portanto, esta na hora, por em prática essa medida e acabar de uma vez por todas com o negócio dos telemóveis, no interior das Cadeias Portuguesas.
  • patricia roldao
    05 ago, 2017 coimbra 15:12
    Droga e telemoveis nas cadeias??? sabem quanto custa um simples telemovel que na loja custa 19,90 na cadeia custa o minimo 500 euros??? vendem-nos uns dias depois fazem rusgas as celas e la sao apreendidos os ditos telemoveis e o recluso so ele e castigado... Na cela do meu companheiro em pouco tempo foram apanhados ja 8 nao dele mas claro utiliza pois nao sao 5 minutos por dia que se pode falar por exemplo dos problemas de saude do meu filho.........quanto a droga infelizmente os reclusos toxicodependentes saem ca para fora e claro querem consumir pois dentro da cadeia consomem na mesma pois nao existe controlo com testes com frequencia que nessas pessoas deveria haver....E vergonhoso isto e muito mais...por muito que se erre mesmo dentro de uma cadeia e desumano um dos castigos ser no dito (MANCO) onde durante 24horas so estao abertos 1 hora...celas sem condicçoes nenhumas...enfim tinha muito que falar...e voces como jornalistas se fosse de vosso interesse divulgar averiguavam o que se passa la dentro...obrigada e desculpem o desabafo..
  • couto machado
    05 ago, 2017 porto 14:46
    convidava o responsável dos serviços a ver a reportagem da televisiva que mostrou a chegada à prisão do sacerdote que há muito tempo reza missa na cadeia, a ser revistado e "apalpado" pela guarda de serviço, não fosse ele levar telemóveis ou droga para os reclusos. já dizia um celebre chinês que uma imagem vale mais que mil palavras. Depois é que deve vir dizer às pessoas que não há (?) segurança. Querem fazer das pessoas parvas ou quê ?
  • Filipe
    05 ago, 2017 évora 13:14
    Mas é assim , porque 99,9% dos presos em Portugal foram defendidos por advocacia Oficiosa , paga pelo Estado para os meter na cadeia e eles , deviam acompanhar o caso desde sempre até à saída , eles afinal abandonam os arguidos , porque querem é mamar , mamar cada vez mais honorários , sem abrirem boca ou dizendo só : " peço justiça " .
  • 05 ago, 2017 palmela 12:22
    Senhor heitor a falhas em todo o lado mas que escuta os poliicos parece que corrre tudo as mil maravilhas!

Destaques V+