Tempo
|
A+ / A-

Arcebispo de Braga. 50 anos de padre “por uma Igreja renovada"

09 jul, 2017 - 10:12 • Isabel Pacheco

Comemorações das bodas de ouro sacerdotais de D. Jorge Ortiga arrancam esta tarde com a ordenação de seis novos diáconos. Celebração dá início ao programa comemorativo que inclui um ciclo de conferências sobre a renovação pastoral.

A+ / A-

O arcebispo primaz de Braga completa este domingo 50 anos de sacerdócio. Ordenado a 9 de Julho de 1967, diz à Renascença que a preocupação de sempre da sua vida como padre foi ter uma igreja integrada e liberta de caminhos tradicionalistas.

“Posso dizer que é quase uma obsessão falar das exigências da renovação que hoje se pede. Quer dizer, deixar determinados caminhos tradicionalistas para optar por aqueles caminhos que correspondem a uma Igreja inculturada nos dias de hoje, integrada na sociedade, e aí agir como fermento para uma sociedade nova e melhor”, explica.

O desejo de renovação é o tema transversal às comemorações das bodas de ouro sacerdotais do arcebispo de Braga, que na semana de conferências que se inicia convida a comunidade e o clero à reflexão sobre o futuro da Igreja.

“Naturalmente, o bispo vive para a construção da comunidade arquidiocesana e tem de reflectir, tem de fazer um exame de consciência e tem de reconhecer que é preciso andar para a frente, renovar alguns aspectos”, reconhece D. Jorge Ortiga, ex-presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana, para quem a missão social da Igreja “não é uma opção, é uma necessidade”.

“A Igreja não é ela mesma se efectivamente não se estrutura e organiza como um espaço de serviço em favor dos mais pobres e carenciados. E nunca fará o suficiente”, sublinha o arcebispo, que já presidiu também à Conferência Episcopal Portuguesa.

D. Jorge Ortiga elege a dignidade das pessoas como “a luta da Igreja” e o desemprego como “o flagelo” que mais o preocupa. “Podem dizer que a taxa [de desemprego] está a diminuir, mas ainda há muitas pessoas com carência de bens essenciais – podia dizer com fome, porque é verdade. A questão da habitação é um problema ainda muito grave também. Tudo aquilo que faz com que a vida do ser humano não seja uma vida digna, isso preocupa a Igreja”, aponta.

Na opinião do arcebispo de Braga, este é um trabalho de todos, dos sacerdotes e cada vez mais também dos leigos, a quem pede mais responsabilidade nos caminhos da Igreja, que tem cada vez menos padres.

Este ano não será dos piores. As comemorações dos seus 50 anos de sacerdócio começam e terminam com novas ordenações: “é um motivo de alegria, num domingo e noutro, poder louvar a Deus pela ordenação destes quatro diáconos em ordem ao sacerdócio, mais dois permanentes [dia 9] e depois seis novos sacerdotes [dia 16]”.

A dois anos de pedir a resignação (quando fizer 75 anos), D. Jorge deixa uma certeza: “o que farei como arcebispo emérito não sei, só sei que não ficarei parado, e que vou dedicar-me à pastoral em algum sector, particularmente a esse sector da pastoral social, que me diz muito, assim como porventura com à juventude e também, se puder, alguma coisa na família. Não me preocupo muito, tenho tempo para pensar nisso”.

O início da celebração está marcado para as 15h30, no Santuário do Sameiro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+