Tempo
|
A+ / A-

Clericus Cup. Diocese de Viana do Castelo chega ao "tri"

06 jul, 2017 - 10:22 • Agência Ecclesia

Em 12 edições da "Clericus Cup", os padres da Diocese de Viana do Castelo já venceram por oito vezes. "Os padres não são só rezar missa”, diz um dos participantes.

A+ / A-

Os padres da Diocese de Viana do Castelo venceram esta quarta-feira a 12.ª edição da "Clericus Cup", torneio de futsal para sacerdotes católicos, depois de derrotarem a equipa de Vila Real Braga, por 1-o, alcançando o tricampeonato.

“O trofeu é o que menos importa, o mais importante é sempre o convívio entre nós. Nem sempre nos encontramos ao longo do ano e, sobretudo, colegas de outras dioceses ainda vemos menos”, disse o padre José António Cunha, da Diocese de Viana do Castelo no fim do torneio.

Em declarações à Agência ECCLESIA, o sacerdote tricampeão sublinhou a importância do convívio e encontro gerado no torneio de futsal de padres onde partilham “os mesmos problemas, obstáculos e alegrias”.

Em 12 edições da "Clericus Cup" os padres da Diocese de Viana do Castelo já venceram oito vezes; Esta quarta-feira sagraram-se tricampeões em Santiago do Cacém num jogo que ganharam por um golo frente à Diocese de Vila Real.

“Segundo lugar não é mau, foi bom, muito bom esforço que eles fizeram. Para a próxima fica para nós”, afirmou o treinador dos padres de Vila Real.

Paulo Gonçalves assinala que a equipa tem “fairplay”, é “muito agradável”: “Todos gostam de nós, é isso que realmente queremos.”

Segundo o professor de Educação Física, que treina a equipa de Vila Real há cerca de cinco anos, os treinos são mesmo a “parte mais difícil” porque tem “atletas que fazem 120 quilómetros” para cada lado e “não é fácil”.

O torneio decorreu em Santiago do Cacém, Diocese de Beja, e congregou cerca de 100 participantes de Braga, Viana do Castelo, Porto, Vila Real, Lamego, Viseu, Guarda, e uma equipa de padres Vicentinos, que organizam a ‘Cléricus Cup’ 2017.

Desde segunda-feira que ao desporto e ao convívio o programa teve momentos de celebração, e os atletas conheceram a “dimensão cultural do Alentejo”.

Segundo o padre vicentino Fernando Soares, forma visitar às ruínas de Miróbriga, a “lagoa de Santo André e numa herdade contactaram com “o que era a vida no Alentejo, com o povo do campo, com alimentação típica”.

A Congregação da Missão celebra, ao longo deste ano, os 400 anos de fundação e 300 anos de presença em Portugal e o sacerdote adiantou que na Missa desta terça-feira deram também “a conhecer um pouco da vida de São Vicente de Paulo” e do seu carisma.

O terceiro lugar foi conquistado pela Arquidiocese de Braga à equipa aos Vicentinos que ainda têm sacerdotes das Dioceses de Beja, Évora e Portalegre-Castelo Branco.

O padre Marco Gil, de Braga, foi operado há pouco tempo e conta que estar na bancada “é muito difícil”.

“De fora sofre-se muito mais, à vontade de ir lá para dentro. Quando a gente está com o calor do jogo não temos, por vezes, a noção das asneiras que faz”, acrescentou o antigo jogador federado.

O também capitão da seleção nacional de futsal de padres portugueses e este ano tem “outra visão” dos colegas e identificou “valores” que podem ajudar em fevereiro 2018 no campeonato da Europa de sacerdotes.

Já para o padre Paulo Vicente, de Viseu, a primeira participação “começou por ser muito dolorosa” porque ao fim de 10 minutos em campo sofreu “uma lesão”.

“Mas estar a ver os meus colegas padres a jogar também é um testemunho para as pessoas. Os padres não são só rezar missa”, observou.

Paulo Vicente foi ordenado presbítero no dia 2 de Julho e logo depois rumou à "Clericus Cup’"e se no percurso para a ordenação “há sempre um caminho longo de preparação” para este campeonato não é diferente: “Em Viseu preparamo-nos todas as semanas, há 2.ª feira jogamos futebol e viemos sempre ao torneio.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+