Tempo
|
A+ / A-

Dezenas participam em manifestação contra despenalização da eutanásia

01 fev, 2017 - 14:53

O movimento cívico Stop Eutanásia quer informar a população para que não seja enganada por uma “falsa compaixão”.

A+ / A-
Dezenas participam em manifestação contra despenalização da eutanásia
Dezenas participam em manifestação contra despenalização da eutanásia

Algumas dezenas de pessoas estiveram concentradas frente à Assembleia da República, numa manifestação contra a despenalização da eutanásia em Portugal.

No dia em que se debate em plenário parlamentar uma petição sobre a despenalização da morte assistida, o movimento cívico STOP Eutanásia convocou esta acção para alertar para a importância de fazer um “profundo debate” sobre o tema em toda a sociedade.

“Os portugueses não estão informados sobre as consequências de uma lei como a eutanásia. E estão enganados por uma falsa compaixão. Mas oferecer a morte é o pior dos consolos que podemos dar. A vida é inviolável”, sublinhou Sofia Guedes, um dos promotores do STOP Eutanásia, em declarações à agência Lusa.

Falando em nome do movimento, Sofia Guedes indicou não ser favorável à aprovação de qualquer diploma que despenalize a eutanásia no parlamento nem a favor da promoção de um referendo.

Da mesma opinião é Graça Varão, também do movimento, que rejeita a ideia de se poder referendar a vida. “Defendemos que a vida não é referendável. Preocupa-nos mais reflectir e aprofundar o que é que isto implicará. Não é com um referendo, porque não podemos andar nesta dança de tomar e descartar coisas tão importantes como a vida através de referendos.”

O que o STOP Eutanásia pretende é iniciar um debate que informe as pessoas, propondo-se a dar “10 razões para não aceitar a legalização da eutanásia em Portugal”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Torcato Bessa
    01 fev, 2017 Vila Meã 16:25
    Proibir a eutanásia é sadismo. O ser humano tem direito à vida, sim senhor... mas também deve ter direito a morrer, quando entender que o sofrimento é insuportável. Proibir este direito é pura discriminação social. Na verdade, só os que não se podem mover é que podem satisfazer a vontade dos sádicos, pois os que andam bonzinhos das pernas estão-se nas tintas para o que os outros querem decidir por eles. Ou vão para debaixo do comboio, ou afogam-se, ou tomam remédio dos escaravelho e impedem os sádicos de os obrigar a penar. Que bom seria o mundo, se não tivessem sido inventadas as religiões, a maioria das quais se prazenteia com a desgraça dos outros. Afinal... onde estão os direitos fundamentais, se queremos manipular a consciência dos que sofrem?
  • El Pibe
    01 fev, 2017 16:12
    Eutanásia? Claro que sim!! Ninguém tem o direito de dizer ou fazer que a angústia de alguém dure!! Os grandes opositores é a classe médica, porque acabam com muitos lobbies farmacêuticos e muitos medicamentos deixam de ser vendidos porque a Eutánasia existe e acaba com o sofriemento das pessoas!! Tenham juízo e venha o referendo, o sim ganha...
  • João Lopes
    01 fev, 2017 Viseu 16:10
    A eutanásia e o suicídio assistido são diferentes formas de matar. Os médicos e os enfermeiros existem para defender a vida, não para matar nem serem cúmplices do crime de outros.
  • José Saraiva
    01 fev, 2017 Viseu 15:44
    sou a favor da aplicação da EUTANÁSIA EM POLÍTICOS...
  • tuga
    01 fev, 2017 lisboa 15:22
    E que tal trabalharem?? ´são tão humanos vão limpar matas, plantar arvores cuidar de velhos abandonados à sua sorte, muitos morrem por falta de assistência se calhar até podíamos dizer que morreram de eutanásia forçada!!! larguem as questões religiosas e dediquem a questões terrenas podem ajudar na muita miséria que por aí anda!!! por agora já tiveram protagonismo, agora podem ir trabalhar!!!

Destaques V+