A+ / A-

Marcelo lembra Fidel como líder "controverso mas marcante"

26 nov, 2016 - 13:15

Mesmo reconhecendo a debilidade física de Fidel Castro o Presidente da República confessou estar algo surpreendido com a morte do ex-chefe de Estado cubano.
A+ / A-

O Presidente da República lembrou Fidel Castro como um "protagonista controverso mas marcante" que teve "um peso" na América Latina e "até no mundo" tornando-se "mítico" no imaginário daqueles que o apoiavam.

Marcelo Rebelo de Sousa, em Guimarães para assinalar os 25 anos do Hospital de Nossa Senhora de Oliveira, lembrou o encontro que teve com o líder histórico de Cuba, há cerca de um mês, apontando a "debilidade física" de Fidel Castro e salientando que ainda assim "do ponto de vista intelectual" Castro estava "muito atento".

"Foi um protagonista controverso mas marcante, quer em Cuba, quer na América Latina quer no que então se chamava terceiro mundo, ou não alinhados, sobretudo entre os anos 60 e os anos 90 do século passado e que chegou a ser uma personalidade mítica para os seus apoiantes", afirmou o chefe de Estado Português.

Apesar de Fidel Castro, admitiu Marcelo Rebelo de Sousa, não se situar na mesma "área ideológica", que ele, o Presidente reconheceu o papel do líder cubano na História: "Não se pode negar que ele teve um peso na América Latina, no chamado terceiro mundo, até no mundo em geral, pensemos na crise dos mísseis que fez suspender por um instante o mundo no início dos anos 60", salientou.

Do encontro com Fidel quando visitou Cuba, Marcelo Rebelo de Sousa partilhou que o líder cubano estava "fragilizado do pronto de vista físico mas intelectualmente muito atento, atento ao que se passava hoje, acompanhava a par e passo as notícias do dia e comentando o mundo tal como ele se encontrava, além de recordar o passado com uma vivacidade indiscutível".

Mesmo reconhecendo a debilidade física de Fidel Castro o Presidente da República confessou estar algo surpreendido com a morte do ex-chefe de Estado cubano.

"Eu não diria, apesar da fragilidade física que um mês depois já não pertencesse ao mundo dos vivos", referiu.

O antigo presidente de Cuba morreu na noite de sexta-feira, aos 90 anos, às 22h29 (3h29 de sábado em Lisboa).

Através de um breve comunicado, o Conselho de Estado cubano decretou "nove dias de luto nacional", desde hoje até ao dia 4 de Dezembro, domingo e acrescentou que "todas as actividades e espectáculos públicos" serão interrompidos.

As cerimónias fúnebres vão realizar-se a 4 de Dezembro, em Santiago de Cuba, no sul do país.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • rosinda
    26 nov, 2016 palmela 14:53
    Numa altura de crise como a que estamos a atravessar marcelo rebelo de sousa arranca de portugal para visitar o lider controverso! Votei no presidente para ele me dar desgostos.