Tempo
|
A+ / A-

Papa aos luteranos: “Não nos podemos resignar à distância que a separação criou entre nós”

31 out, 2016 - 14:25 • , na Suécia

Francisco realçou e agradeceu o facto de a reforma protestante, protagonizada por Lutero, ter contribuído para dar um lugar mais central à Sagrada Escritura na vida da Igreja.

A+ / A-

O Papa Francisco desafiou esta segunda-feira católicos e luteranos a não se resignarem à distância que a separação criou entre as duas comunidades.

No seu primeiro discurso na visita à Suécia, precisamente para participar num evento ecuménico de comemoração dos 500 anos da publicação das teses de Lutero, Francisco começou por sublinhar que a unidade dos cristãos é vontade de Cristo e disse que protestantes e católicos atravessam um momento histórico que deve ser aproveitado para ultrapassar controvérsias do passado.

“Não podemos resignar-nos com a divisão e o distanciamento que a separação gerou entre nós. Temos a possibilidade de reparar um momento crucial da nossa história, superando controvérsias e mal-entendidos que nos impediram frequentemente de nos compreendermos uns aos outros”, afirmou o Papa.

A caminhada conjunta rumo à unidade obriga a um olhar crítico sobre o passado. “Também nós devemos olhar, com amor e honestidade, para o nosso passado e reconhecer o erro e pedir perdão, pois só Deus é o juiz. E, com a mesma honestidade e amor, temos de reconhecer que a nossa divisão se afastava da intuição originária do povo de Deus”, disse Francisco, acrescentando que “havia, de ambos os lados, uma vontade sincera de professar e defender a verdadeira fé, mas estamos conscientes também de que nos fechamos em nós mesmos com medo ou preconceitos relativamente à fé que os outros professam com uma acentuação e uma linguagem diferentes”.

Destacar o que une

As diferenças actuais entre a Igreja Católica e a luterana são profundas, tendo a ver sobretudo com três áreas: o entendimento sobre a Eucaristia, sobre a natureza e estrutura da Igreja e sobre o ministério.

Outra área importante de divergência tinha a ver com a doutrina da justificação, isto é, como se opera a salvação das almas dos crentes, mas que já foi alvo de um documento conjunto que ultrapassa os diferentes entendimentos.

A oração comum que esta tarde teve lugar na catedral de Lund teve sempre um tom penitencial, com os luteranos e católicos a pedir perdão pela incompreensão e pelos maus exemplos dados no passado. Durante séculos, cristãos de ambos os lados "não só compreenderam mal como criticaram e caricaturaram os seus opositores. Focaram aquilo que os separava, em vez de se concentraram no que os une. Estes fracassos resultaram na morte de centenas de milhares de pessoas", rezou-se. "Lamentamos profundamente aquilo que católicos e luteranos fizeram uns aos outros", disseram ainda os líderes religiosos reunidos.

Mas durante o seu discurso o Papa pôde encontrar alguns pontos positivos da reforma protestante que não deixou de realçar. “Com gratidão, reconhecemos que a Reforma contribuiu para dar maior centralidade à Sagrada Escritura na vida da Igreja. Através da escuta comum da Palavra de Deus nas Escrituras, o diálogo entre a Igreja Católica e a Federação Luterana Mundial, cujo cinquentenário celebramos, deu passos importantes. Peçamos ao Senhor que a sua Palavra nos mantenha unidos, porque Ela é fonte de alimento e vida; sem a sua inspiração, nada podemos fazer.”

“A experiência espiritual de Martinho Lutero interpela-nos lembrando-nos que nada podemos fazer sem Deus. ‘Como posso ter um Deus misericordioso?’ Esta é a pergunta que constantemente atormentava Lutero. Na verdade, a questão da justa relação com Deus é a questão decisiva da vida. Como é sabido, Lutero descobriu este Deus misericordioso na Boa Nova de Jesus Cristo encarnado, morto e ressuscitado. Com o conceito ‘só por graça divina’, recorda-nos que Deus tem sempre a iniciativa e que precede qualquer resposta humana inclusive no momento em que procura suscitar tal resposta. Assim, a doutrina da justificação exprime a essência da existência humana diante de Deus.”

Testemunho conjunto

Enquanto as diferenças doutrinais e teológicas não são resolvidas, as duas igrejas continuam a caminhar separadas, cada uma a tentar dar testemunho do Cristianismo no mundo, considera Francisco.

“Jesus intercede por nós como mediador junto do Pai, pedindo-Lhe a unidade dos seus discípulos para que ‘o mundo creia’ (Jo 17, 21). É isto que nos conforta e impele a unir-nos a Jesus para implorar o Pai com insistência: ‘Concedei-nos o dom da unidade, para que o mundo creia na força da vossa misericórdia’. Este é o testemunho que o mundo espera de nós.”

“E nós, cristãos, seremos testemunhas credíveis da misericórdia, na medida em que o perdão, a renovação e a reconciliação forem uma experiência diária entre nós. Juntos, podemos anunciar e manifestar, de forma concreta e com alegria, a misericórdia de Deus, defendendo e servindo a dignidade de cada pessoa. Sem este serviço ao mundo e no mundo, a fé cristã é incompleta”, insiste o Papa.

Já o secretário-geral da Federação Luterana Mundial, Martin Junge, recordou no seu discurso o testemunho de pessoas que já antes do início do diálogo ecuménico oficial, já se reuniam para tentar construir pontes entre as comunidades.

Junge agradeceu a estes "profetas", que "vivendo em comunidade e dando testemunho conjunto, começaram a ver-se não como ramos separados da videira, mas unidos em Jesus Cristo. E mais, começaram a ver Jesus no meio deles e a reconhecer que mesmo naqueles períodos da história, durante os séculos em que deixamos de nos falar, Jesus continuava a falar-nos. Jesus jamais se esqueceu de nós, mesmo quando parecia que o tínhamos esquecido a ele, perdendo-nos em acções violentas e carregadas de ódio."

A viagem do Papa Francisco à Suécia é uma etapa histórica do diálogo ecuménico com os luteranos, nomeadamente com a Federação Luterana Mundial, que representa cerca de 70 milhões de fiéis em todo o mundo.

Francisco chegou a Malmö, esta manhã, e parte de volta para Roma na terça-feira, depois de celebrar missa para a comunidade católica.

A Renascença com o Papa Francisco na Suécia. Apoio: Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Confuso
    31 out, 2016 Viseu 22:06
    Nosso Senhor Jesus Cristo , diz em Mateus 16,18 "tu és Pedro e sobre essa pedra edificarei a minha igreja", Pedro é a primeira pedra da Igreja Fundada por Jesus (conhecido portanto como o primeiro Papa). Se a Igreja que Nosso Senhor Jesus Cristo fundou é a Igreja Católica onde ficam então os protestantes e Luteranos? Se não reconhecem os Sacramentos Instituídos Pelo Próprio Deus na Segunda Pessoa da Santíssima Trindade , como se procede então em relação a quem está em contradição com a verdadeira Igreja? Não se empreendem mais esforços pela sua conversão?! Estaremos todos em pé de igualdade? Com certeza que não: João 14 5,6 "Disse-lhe Tomé: Senhor, nós não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho?"; "Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." Todo o católico saiba que está na Igreja que salva. Mas quem se encontrasse, sem culpa sua, fora da Igreja poderia salvar-se? Quem, encontrando-se sem culpa sua - quer dizer, em boa-fé - fora da Igreja, tivesse recebido o batismo, ou tivesse desejo, ao menos implícito, de o receber, e além disso procurasse sinceramente a verdade e cumprisse a vontade de Deus o melhor que pudesse, ainda que separado do corpo da Igreja, estaria unido à alma d’Ela, e portanto no caminho da salvação. Catecismo de São Pio X - 170. Talvez seja interessante mostrar-lhe o que o Catecismo de João Paulo II (oficialmente chamado "Catecismo da Igreja Católica") ensina "fora da Igreja não há salvação".
  • Fernando Neves
    31 out, 2016 Paredes 20:40
    Já é tempo de reabilitar Martinho Lutero!........
  • Pedro Rodrigues
    31 out, 2016 Soyo -Angola 17:31
    Deus seja louvado! A iniciativa do Santo Padre ė louvável na medida em que Deus exige unidade aos seus fiéis em geral, porque para Ele não há católicos nem protestantes. Para o Senhor existe um povo uno e indivisível em Cristo Jesus, Nosso Senhor. Só Ele é que é o detentor da verdade, tal como Ele mesmo afirmou: "Eu sou o caminho a verdade é a vida".
  • Bela
    31 out, 2016 Braga 17:15
    O que eu gostava mesmo era de vê-los admitir que não existem deuses. Isso é que era....
  • Jorge Silva
    31 out, 2016 São Paulo 16:34
    Manuel, já sabemos o que Jesus deseja de NÓS... "Ele intercede por nós como mediador junto do Pai, pedindo-Lhe a unidade dos seus discípulos para que ‘o mundo creia’ (Jo 17, 21). É isto que nos conforta e impele a unir-nos a Jesus para implorar o Pai com insistência, para que o mundo creia na força da SUA misericórdia’. E nós, cristãos, seremos testemunhas credíveis da misericórdia, na medida em que o perdão, a renovação e a reconciliação forem uma experiência diária entre nós. "
  • WTF
    31 out, 2016 V N Gaia 16:22
    Este Papa trabalha para a Nova Ordem Mundial. Um traidor aos Cristãos.
  • Manuel Jesus
    31 out, 2016 Cantanhede 15:30
    Antes de tudo... deveis saber e compreender o que é que JESUS deseja de Vós. Somente depois é que podeis e deveis iniciar conversações de reaproximação e/ou reintegração. Fazer isso à revelia de Sua Vontade, é agir no escuro, sem possuir a devida e divina autoridade para o poder fazer.

Destaques V+