Tempo
|
A+ / A-

EUA lamentam “perda de vidas” na Síria mas chamam “hipócritas” aos russos

18 set, 2016 - 01:20

Samantha Power confirma que norte-americanos estão a investigar o incidente em Deir al-Zor, em que terão morrido dezenas de militares sírios, mas não perdoa atitude da Rússia.

A+ / A-

A embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Samantha Power, pede desculpa pelo erro que terá provocado a morte de dezenas de militares sírios, mas chama “cínicos” e “hipócritas” aos russos.

Moscovo, que convocou uma reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas para que os 15 Estados-membros analisassem o ataque norte-americano junto ao aeroporto de Deir al-Zor, na Síria, chegou a acusar os Estados Unidos de serem "coniventes" com os terroristas do Estado Islâmico.

Samantha Power confirma que os Estados Unidos estão “a investigar o incidente e, se se confirmar que foram atacados militares sírios, essa não era a nossa intenção e lamentamos a perda de vidas”.

Depois, a embaixadora “virou-se” para a Rússia, que convocou a reunião e é uma aliada do regime do Presidente sírio e não foi meiga nas palavras.

“Desde 2011, o regime de Bashar al-Assad tem, intencionalmente, atacado alvos civis com regularidade, tem impedido ajuda humanitária a pessoas que passam fome e têm doenças tratáveis, usou armas químicas contra o seu povo e torturou dezenas de milhares de pessoas nas prisões”, disse Samantha Power em conferência de imprensa nas Nações Unidas.

Lembra a embaixadora que, “perante todas estas atrocidades, nunca a Rússia se indignou ou exigiu investigações ou alguma vez pediu uma reunião de emergência sobre a Síria”.

De recordar que o Kremlin exigiu a Washington “explicações completas e detalhadas” sobre o que aconteceu em Deir al-Zor.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, morreram 80 militares sírios. Já fonte do Governo sírio confirma, pelo menos, 62 vítimas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • A.Peixoto
    25 set, 2016 ermesinde 20:57
    Hipócritas desses americanos acusam os outros quando eles são iguais ou piores. cambada de assassinos
  • Jorge Silva
    18 set, 2016 Lisboa 15:38
    Os EUA estão fartos de Assad, que para eles é tão terrorista como o Daesh. Esses militares sírios cercavam a cidade e não deixavam entrar ajuda humanitária ! Foi mesmo um erro de coordenadas?
  • jose
    18 set, 2016 Lousada 14:08
    Os USA, parece que não aprenderam com o erro do Iraque. Paz e estabilidade e segurança, são mais importantes do que liberdade e democracia. depois vira-se o feitiço contra o feiticeiro.
  • Jacinto Abade
    18 set, 2016 Sao Paulo 13:38
    Ninguem teme à Deus e nao acredita nas profecias,mas a realidade esta ai,se nao voltarem para o Senhor,muitos perecerao. Shalom!
  • Alberto Sousa
    18 set, 2016 MONTIJO 12:25
    ORA AGORA ERRAS TU, ORA AGORA ERRO EU, E SE ERRARMOS AO MESMO TEMPO, PODE SER QUE O ERRO ATINJA NA ALEMANHA O Deutsche Bundesbank, OU NA FRANÇA O ELISEU. KKKK
  • António Costa
    18 set, 2016 Cacém 11:40
    "Querida" Samantha Power, mas os Assad e companhia tal como a Família Real Saudita, já estavam no poder muito antes de 2011. Só quando da entrada de centenas de milhar de homens armados entraram na Síria vindos da Turquia é que a guerra civil começou. Estes militares provenientes da Turquia receberam treino e equipamento da CIA. O que aconteceria se entrassem na Arabia Saudita 100 000 bem armados provenientes de países vizinhos? Algum país aguenta esse tipo de ataques?
  • Jose
    18 set, 2016 Portugal 09:57
    Espera ....mas os rebeldes nao usaram armas quimicas ?mas alguns grupos rebeldes nao massacraram vilas inteiras ?mas nós nao vimos na televisao grupos rebeldes Como o ISis , na altura Muito tolerado pelos US e apoiados pela Arabia Saudita a torturarem , cortas cabeças , afogar opositores ? Escravizar e violar mulheres e ate crianças ?Ate parece que o aliado dos US , a Arabia respeita algum direito humano.Para já nao falar em Guantanamo , parte do territorio cubano ocupado , onde existe uma prisao Americana que tortura e tem LA prisioneiros raptados dos seus paises e sem julgamento , Até crianças de 13 anos .
  • Madala
    18 set, 2016 Évora 09:31
    E acordaram eles um cessar fogo.... sempre a torpedear! Entre um e outro venha o diabo e escolha. Pasmo por ver russos e americanos a negociarem um cessar fogo num pais soberano que não lhes pertence, penso eu. Os russos ainda podem alegar que foram chamados pelo governo da Síria, agora os outros! São estes dois os principais culpados do estado em que está o mundo. Metam-se na vossa vida!....
  • Vítor Simões
    18 set, 2016 Maputo 09:19
    Que eu saiba as armas são feitas com armas que se compram, não no super-mercado, mas sim aos poucos países que as produzem.
  • 18 set, 2016 08:20
    os russos não são flores que se cheirem , mas esta senhora antes de abrir a boca , devia pensar duas vezes , pois o adjectivo que usou aplica-se na perfeição ao pais que representa!!!!

Destaques V+