Tempo
|
A+ / A-

Touradas vão continuar a receber dinheiro nos Açores

08 set, 2016 - 20:32

Socialistas lembram que as touradas à corda e de praça são uma tradição secular em algumas ilhas do arquipélago.

A+ / A-

A Assembleia Legislativa dos Açores chumbou uma proposta do Bloco de Esquerda que pretendia acabar com os apoios públicos às touradas realizadas no arquipélago.

A proposta, apresentada pela deputada Zuraida Soares, suscitou dúvidas aos restantes partidos, uma vez que o diploma falava apenas em "condicionar o apoio institucional à realização de espectáculos que infrinjam sofrimento físico ou psíquico ou provoquem a morte de animais".

Nuno Menezes, da bancada socialista, lembrou que as touradas à corda e de praça são uma tradição secular em algumas ilhas do Açores, como é o caso da Terceira, de São Jorge e da Graciosa.

"Pergunto, por isso, senhora deputada, o que acha que nós não devemos então apoiar, se as touradas de praça, se as touradas à corda, se os bolos de leite, se as cavalhadas", questionou o parlamentar socialista.

Artur Lima, líder parlamentar do CDS, considerou a proposta do BE "eleitoralista" e "populista" e de pretender "acabar" com as tradições de tourada à corda nos Açores.

"O que fica claro é que o Bloco de Esquerda é contra a tourada à corda e é contra as tradições populares e a cultura de um povo", apontou o parlamentar centrista em tom exaltado.

Perante as insistências, Zuraida Soares acabou por esclarecer que a intenção do seu partido não é "acabar com as touradas" mas apenas com os apoios públicos a espectáculos "com fins comerciais", fazendo-se acompanhar de fotografias, em tamanho A3, com touros a sangrar, utilizados em espectáculos tauromáquicos.

A proponente garantiu que as touradas à corda estão excluídas deste diploma, mas Aníbal Pires, do PCP, considerou que esse objectivo não está claro no articulado.

"Se, de facto, aquilo que pretende é excluir as touradas à corda do âmbito deste diploma, devia ser mais explícita", sugeriu o deputado comunista.

Mas Judite Parreira, da bancada do PSD, lembrou que acabar com os apoios às touradas, como propõe o BE, não significa acabar com as touradas.

"A senhora vem aqui, como Pilatos, lavar as mãos, como se o problema fosse os apoios institucionais, ou seja, se não há apoios, não faz mal haver touradas. Faz mal é se houver apoios", ironizou a deputada social-democrata.

Paulo Estevão, do PPM, acusou, por seu lado, a proposta do Bloco de ser "eleitoralista" e "absolutamente hipócrita", e de estar a tentar fazer um aproveitamento de uma matéria considerada "sensível" para muita gente no arquipélago.

O secretário regional da Educação e Cultura, Avelino Meneses, garantiu em plenário, que o executivo socialista não atribuiu apoios públicos a espectáculos tauromáquicos nos últimos anos, concluindo que a proposta acaba por não fazer sentido.

Mas a depurada do BE fez entregar na Mesa da Assembleia, uma listagem de portarias, publicadas entre 2004 e 2014 no Jornal Oficial da Região, com "dezenas e dezenas de milhares de euros" de subsídios atribuídos a entidades ligadas à tauromaquia nos Açores.

A proposta do BE acabou chumbada por quase todos os partidos com assento parlamentar, à excepção de cinco deputados do PS, que votaram a favor (quebrando a disciplina de voto) e dois que se abstiveram.

Só na ilha Terceira, realizam-se anualmente, cerca de uma dezena de touradas de praça e perto de 250 touradas à corda" em todas as freguesias.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Camilo Soveral
    10 set, 2016 Mem Martins 21:06
    Dinheiro dos meus impostos, nunca! querem fazer ? se eu não gosto de touradas ou mesmo à corda! porque tenho que pagar para satisfazer o sadismo de alguns... nunca!
  • Teófilo Soares Braga
    09 set, 2016 AÇORES 13:07
    Não querendo comentar o texto todo, apenas digo que o deputado socialista referido nem história sabe.
  • Armando Ferreira
    09 set, 2016 Amadora 09:22
    Não se trata de tradições! Trata-se de alimentar o negócio dos criadores, sustentação do amiguismo e compadrio - nada mais que isto.
  • Joaquim Rosa Ferreir
    09 set, 2016 Marinha Grande 04:02
    Ja ganhou pontos esta deputada. Quem quer festa soalha a testa.
  • José Santos
    09 set, 2016 Porto 01:30
    As touradas são uma tradição, mas mais propriamente uma tradição imbecil. Vejam no you tube o que lá se passa. É marradas a torto e a direito. Deviam pagar do próprio bolso por completo os tratamentos no hospital e os funerais que as ditas acabavam logo...
  • Artur
    09 set, 2016 Lisboa 00:20
    Quem nunca teve a oportunidade de ver como são as touradas de rua nos açores aconselho a espreitar os videos disponiveis na internet antes de debitar bacoradas acerca da defesa dos animais porque neste caso é a verdadeia tortura praticada pelo Touro ao ser humano.
  • José Luís Ourique Vi
    08 set, 2016 Norte Grande (Neves) 23:30
    O ps está no direito de oferecer dinheiro a quém quiser tal como eu votar noutro partido nas próximas eleições.
  • Fernando
    08 set, 2016 amarante 23:18
    Fazem muito bem em manter as tradiçoes. Esses gajos do BE, estao contra o financiamento, mas estao a favor de financiar ois drogados com seringas, ai nao ha problema. Estes tipos do bloco enfastiam com tanta estupidez.
  • Rui Almeida
    08 set, 2016 Algés 22:40
    É a completa barbárie e com apoio do Estado. O que interessa a estes políticos é embrutecer o povo.
  • Zezito
    08 set, 2016 Lisboa 22:11
    Tirem entao as subvencoes a tudo e vamos ver o Que fica. Liberdade para todos. Nao gostam não vao.

Destaques V+