Tempo
|
A+ / A-

Ataque com machado faz vários feridos na Alemanha. Suspeito abatido

18 jul, 2016 - 21:57

Ataque num comboio de passageiros na cidade de Wurzburgo, estado da Baviera.

A+ / A-
Ataque com machado faz vários feridos na Alemanha. Suspeito abatido
Ataque com machado faz vários feridos na Alemanha. Suspeito abatido

Um homem armado com um machado e uma faca feriu entre 10 a 15 pessoas, algumas em estado grave, num comboio na Baviera, Alemanha, avança a polícia.

A tragédia aconteceu no interior de uma composição regional, nas proximidades da cidade de Wurzburgo, no Sul do país.

O autor do ataque foi abatido a tiro pelas forças de segurança quando tentava fugir do local, adiantou à estação ARD o ministro da Administração Interna da Baviera.

De acordo com Joachim Herrmann, a acção foi levada a cabo por um rapaz de 17 anos, de nacionalidade afegã.

O jovem era um refugiado que chegou à Alemanha sem familiares. Estava aos cuidados de uma família de acolhimento residente na cidade de Ochsenfurt, no distrito de Wurzburgo.

O motivo do ataque ainda não é conhecido.

As primeiras informações avançadas pela comunicação social local davam conta de, pelo menos, 21 feridos.

A linha de comboios entre Wurzburgo-Heidingsfeld e Ochsenfurt foi encerrada.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Paulo Martins
    20 jul, 2016 Braga 00:39
    Afinal tenho que vos pedir desculpa, ignorem os meus últimos comentários, pois só agora reparei que têm botões para mostrar mais comentários num canto do formulário, navegando por lá lá pareceu o meu comentário de ontem, afinal não censuraram. Peço desculpa vos ter chamado coisas feias, afinal não censuraram nada nem são pide nenhuma. São tantos os comentários xenófobos e tristes que aqui estão que me irritei mais do que devia e precipitei. Desculpem.
  • Bruno
    19 jul, 2016 Setubal 20:53
    Coitadinho! Era so um refugiado que fugio da guerra na Siria.
  • João Cravo
    19 jul, 2016 Gafanha da Nazaré 08:46
    Os fascistas/ nazis não deixam de propagandear o que possam discriminar. O que é que este caso tem a ver com esquerda ou direita, cambada de energúmenos? Foi um caso isolado, sem qualquer ligação à seitas ou a religiões, ainda não se sabe qual a motivação do agressor, como acontece, infelizmente, tantas em diversas partes do mundo.
  • Interessante
    19 jul, 2016 Aveiro 08:30
    Interessante que não vejo aqui nenhum esquerdista ou defensor dos direitos destes animais a comentar!! ficaram sem pio??
  • Antonio Reis
    19 jul, 2016 Paço de Arcos 06:52
    Mais uma acha para a fogueira ,quando acabarem com as religiões e os seus veículos de propaganda pode ser que o tempo que se perde a ir ao culto passem a ir á escola aprender a conhecer a Deus o verdadeiro não o pagão que serve os esclavagistas que se aproveitam da ignorância dos pobres coitados espíritos sem luz..
  • Daklavtov
    19 jul, 2016 Uralsk 05:09
    De facto é demais....
  • nuno almeida
    19 jul, 2016 seixal 04:35
    Mas onde estao agora os Otarios que vinham defender a entrada desta gente na Europa ? Estranho o silencio de quem apoiou a estrada de milhares de indocumentados. Este menino ate estava onde todos queriam estar que era na Alemanha , teria um bom subsidio e estava integrado numa familia de acolhimento , qual foi o problema desta vez ? Desta vez como das outras vezes , a religiao destes fanaticos sobrepoe o valor da vida humana em nome de Ala. Tera sido vitima de racismo por parte dos alemaes ? Nos os portugueses tambem e nem por isso saimos pelas ruas a esfaquear pessoas. E agora ? A europa so tem que aplicar os metodos russos e israelitas , de outra forma nao se resolve este caos. Passa pela deportacao dos descendentes e ascendentes de quem comete estes atos de terrorismo .
  • 19 jul, 2016 Freixo de espada à cinta 02:25
    O rapaz estava confuso , ele vinha para Portugal, para Vila de Rei ao abrigo daquele programa que incentiva os jovens a virem povoar o interior , vinha ser lenhador , entrou num comboio e viu tantos alemães altos que os confundiu com pinheiros e vai de mandar abaixo. Sabem meus amigos, uma coisas são as teorias da conspiração , outra é o que se está a passar À nossa frente e nós aceitARMOS CEGMENTE., leiam sobre este tema : " o plano Kalergi" não explica tudo mas dá MUITO que pensar
  • Um desvairado ataca
    19 jul, 2016 Bobadela 01:53
    Salazar como ditador era o mais moderado dos ditadores existentes. Digo que a comparação com os outros seria uma sombra.Nesse tempo Portugal era seguro, independente, soberano. A UE acaba por diluir a importância de Portugal , dado que lhe restringe os poderes através de decisões que ela emana. É isto que vai ganhando contestação por parte dos respetivos países. Qualquer país sem fronteiras tem um ganho de liberdade , mas em contrapartida fica fragilizado à introdução de elementos que podem causar prejuízos com consequências gravíssimas.Esta avalanche de refugiados que vêm dos locais mais variados é algo anormal que podem ter intenções diferentes daquelas que lhes pretendem atribuir.Com estas incursões de toda a ordem a segurança ficou de tal forma diminuída que as pessoas possam tomar atitudes de defesa . A Europa não é tudo. Cada país tem as suas identidades próprias e a pretexto da palavra Europa não podem ser apagadas nos ditos países do sul.As ditas sanções emanadas da UE causam descontentamento ,descrédito , tratamento desigual em relação a outros e o agravamento das dificuldades. A UE atual desviou-se da sua formação inicial em que a banca e os grandes grupos económicos são a sua principal preocupação .É fácil falar em integração ,só que esses objetivos raramente são conseguidos, sobretudo em culturas muito diferentes como é o caso. Vive-se lado a lado , mas com diferenças enormes. Uns respeitam-se outros não.
  • Paulo C.
    19 jul, 2016 Açores 01:52
    É o que faz acolher esta gente.

Destaques V+