Tempo
|
A+ / A-

Património da Humanidade ameaçado no Mali

13 jul, 2016 - 21:41

UNESCO diz que o clima de insegurança está a dificultar muito as necessárias obras de conservação em Djenné.

A+ / A-

A UNESCO alerta que a cidade milenar de Djenné, no Mali, classificada como Património da Humanidade, está em perigo.

O clima de insegurança que se vive naquela zona do país está a dificultar muito as necessárias intervenções e obras de conservação.

O Mali enfrenta a ameaça de grupos radicais islâmicos e dos rebeldes tuareg que lutam pela independência do Norte do país.

Uma equipa da UNESCO visitou a cidade de Djenné e encontrou sinais de deterioração dos monumentos.

“O Governo do Mali enfrenta muitos desafios. O que precisamos neste momento é garantir que as instituições estão lá e recebem apoio financeiro”, afirma Edmond Moukala, director da delegação africana do Património da Humanidade da UNESCO.

Djenné foi fundada por volta do ano 200 antes de Cristo (AC) e fica situada no Centro do Mali.

As suas construções feitas com argila datam da era pré-islâmica. O núcleo histórico da cidade tem duas mil casas e uma grande mesquita, erguida em 1280.

Djenné foi um importante interposto comercial e foi considerada em 1988, juntamente com a cidade vizinha de Tombuctu, Património da Humanidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 14 jul, 2016 20:27
    O que l'emporta le Lutât contra a tirania
  • aletras
    13 jul, 2016 lx 22:58
    No Iraque foram , e são, destruídos monumentos únicos que jamais iremos ver de novo ao vivo. Infelizmente.

Destaques V+