Tempo
|
A+ / A-

Passos ao Governo: “Desculpas esfarrapadas” não valem, o que conta é atingir metas

04 jul, 2016 - 14:59

Cumprimento das metas portuguesas é essencial para evitar sanções, diz o antigo primeiro-ministro, que diz que Costa “insiste em não querer ver o problema”.

A+ / A-

O presidente do PSD Pedro Passos Coelho disse esta segunda-feira, na Figueira da Foz, que o cumprimento das metas previstas pelo Governo para 2016 é essencial para evitar sanções europeias.

"Não vale a pena o Governo vir com desculpas esfarrapadas sobre o passado porque aquilo que será importante para evitar sanções é a garantia de que em Portugal as nossas metas serão cumpridas este ano", disse Passos Coelhos.

"Se essa garantia existir eu não acredito que haja sanções. E isso depende, no essencial, do Governo e da maioria que o apoia", frisou Passos Coelho.

Questionado sobre a posição manifestada pelo primeiro-ministro que argumentou que a aplicação de eventuais sanções a Portugal resulta do défice registado no ano passado, afastando a adopção de medidas adicionais, Passos Coelho disse que António Costa "insiste em não querer ver o problema e olhar para a realidade como ela é".

Passos Coelho contrapôs que em 2015, descontando os impactos nas contas nacionais com a resolução do Banif e a consolidação de capital na Caixa Geral de Depósitos, o défice português teria ficado nos 2,8%.

"Isto são os números do Eurostat, não são do PSD nem meus", avisou.

Para Passos Coelho, hoje só se pode falar num "ambiente de recriminação" em redor de eventuais sanções por incumprimento do limite do défice "se houver dúvidas quanto à capacidade para o país sair do procedimento de défice excessivo cumprindo as metas deste ano".

"E isto é um aspecto crítico nisto tudo: o primeiro-ministro insiste em achar que se as sanções puderem ser reportadas a um Governo anterior e um ano anterior isso não traz grande problema. E traz, porque se o primeiro-ministro tivesse estado empenhado com a sua equipa das Finanças em defender o resultado que nós deixámos em 2015 e, ao mesmo tempo, a inspirar confiança junto dos nossos parceiros para garantir que as metas do défice deste ano seriam atingidas, toda esta conversa sobre sanções não existia", alegou Passos Coelho.

O líder social-democrata reafirmou que a remoção da eventual desconfiança dos mercados e dos parceiros europeus sobre a situação portuguesa "está nas mãos do Governo" e que, para tal, o executivo liderado por António Costa "não pode ter políticas que deixem dúvidas e que possam gerar incertezas para futuro", argumentou.

"Nós fizemos reformas importantes que este governo está a reverter. Se o Governo persistir neste caminho, é muito difícil que a confiança possa regressar. E não regressando a confiança, vai ser muito difícil ao sistema financeiro recuperar e muito difícil ao país atingir as metas a que se propôs", avisou Passos Coelho.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • dr Xico
    05 jul, 2016 Lisboa 11:40
    Obrigado "estadista - vira casacas" estás realmente ao nível da tua amiga alemã ... podes emigrar para lá o país e o PSD não precisa de GAPACHOS DESTES
  • que lábia tem!
    04 jul, 2016 lx 19:16
    Lábia não lhe falta! Utiliza a cábula de 2011 para tentar enganar novamente as pessoas de boa fé! O discurso é semelhante só falta dizer que não cortará o subsidio de Natal perante uma pergunta de uma criança!...até às crianças mentiu!
  • este tipo
    04 jul, 2016 lx 17:37
    Assemelha-se a uma figura da cartomancia e do esotorismo, à boa maneira dos chefes de tribo nos aldeamentos africanos! Estamos a viver tempos do vale tudo para fazer passar mensagens enganadoras e demagógicas! Como é possivel que um partido com a responsabilidade do PSD possa ter uma liderança tribal?
  • o maior aldrabão
    04 jul, 2016 pt 17:15
    E incendiário de Portugal! Colocou durante 4 anos, portugueses contra portugueses, velhos contra novos, públicos contra privados, activos contra reformados e pensionistas! Dividir para reinar! Querem maior incendiário do que este figurão mascarado de social democrata?
  • o psd
    04 jul, 2016 lx 16:58
    Com a actual liderança deixou de ser um partido politico para ser uma seita de oportunistas travestidos de social democratas, sedentos de poder e vale tudo para lá chegarem! Ao que chegámos!
  • fanã
    04 jul, 2016 aveiro 16:54
    A este ritmo vamos passar a atingir metas indefinidamente , para o bem dos larápios da alta finança e seus lacaios . Quanto ao Zé Povo " ai , aguenta , aguenta " como dizia um Banqueiro chamado U....h !
  • o problema maior
    04 jul, 2016 lx 16:51
    É este farsola! Traidor de Portugal e carrasco dos portugueses e da classe media! Vai-te embora ó melga! És pior do que qualquer virus! És um cancro em estado activo!
  • por favor
    04 jul, 2016 lx 16:40
    Internem rapidamente este doente mental! À solta tornou-se um perigo para a segurança publica do país! Até já consegue inventar ficções que ele proprio acredita serem realidades! E dão-lhe atenção e credibilidade? Está tudo doido ou quê?
  • jp
    04 jul, 2016 Porto 16:32
    Por favor Srº Passos não lhe dê a sua cartilha...Porque, também não cumprui com nenhuma meta.
  • barsanulfo
    04 jul, 2016 alcains 15:39
    O triste traste, tecnoformático de Massamá, que durante quatro anos não cumpriu uma só meta, repito uma só, teve de fazer orçamentos e mais orçamentos rectificativos, andou de joelhos a pedir esmola a Berlim e ao velho nazi louco, inventou, "martelou" contas umas após outras, empurrou com a barriga contas de bancos falidos antes de eleições, mentiu sistemáticamente, vem agora falar de " desculpas esfarrapadas" Patético, para dizer o mínimo.

Destaques V+