A+ / A-

Mulheres portuguesas trabalham, pelo menos, mais uma hora do que os homens

28 jun, 2016 - 06:49

São elas que dedicam mais tempo às tarefas domésticas e à prestação de cuidados a menores e dependentes. Ainda assim, cerca de 70% das mulheres acham justo o trabalho doméstico que fazem.
A+ / A-

Somando o trabalho pago e não pago, em Portugal as mulheres trabalham, em média e em cada dia útil, mais 1h30 que os homens. A conclusão é do Inquérito Nacional aos Usos do Tempo de Homens e Mulheres.

Segundo o estudo, as mulheres com filhos menores de 15 anos são as que mais se queixam, revelando o inquérito que a existência de crianças pode potenciar o sentimento de injustiça face à partilha das tarefas domésticas.

Em todos os grupos etários, são as mulheres que dedicam mais tempo às tarefas domésticas e à prestação de cuidados a menores e pessoas dependentes. Em média, 4,23 horas diárias – contra 2,38 horas dedicadas pelos homens a este tipo de trabalho não remunerado.

O estudo, realizado entre Abril e Novembro de 2015 e divulgado esta terça-feira em Lisboa, revela também que "a partilha do cuidado e a articulação entre responsabilidades parentais e trabalho pago são domínios que, apesar de uma crescente 'reivindicação' por parte dos homens do seu direito à paternidade, ainda evidenciam a persistência de desigualdades de género".

Cerca de 17% das mulheres, face a 7,6% dos homens, disseram que dedicam uma hora ou mais, todos os dias, aos cuidados físicos com os filhos, como alimentar e dar banho.

Ainda assim, perto de sete em cada dez mulheres portuguesas consideram justa a parte do trabalho doméstico que realizam. São cerca de 70% das mulheres contra 75,6% dos homens.

Quase 22% pensam fazer mais do que é adequado.

Trabalho e família

As conclusões do Inquérito Nacional aos Usos do Tempo de Homens e Mulheres revelam que são as mulheres quem mais sente as implicações das responsabilidades parentais no emprego.

Mais de uma em cada três assume que teve dificuldades em concentrar-se algumas vezes no trabalho, durante o último ano.

Já a maioria dos homens (74,2%, face a 64,9% das mulheres) disse que nunca ou raramente sentiu tal dificuldade.

Mãe, mulher, desigualdade

Os autores do estudo consideram que os resultados "ilustram claramente" que o nascimento dos filhos "constitui muitas vezes um ponto decisivo no qual se definem ou reforçam assimetrias de género".

"Na prática, é à mãe que cabe tipicamente a incumbência de assegurar o bem-estar da criança nos primeiros meses de vida, enquanto o pai, se presente, cumpre o papel de provedor económico a par de uma função auxiliar no que toca a cuidados físicos ou emocionais", salientam.

Os investigadores do Inquérito Nacional aos Usos do Tempo de Homens e Mulheres (INUT), iniciado em Outubro 2014, esperam que o diagnóstico permita "sensibilizar para a necessidade de uma distribuição mais equilibrada do trabalho não pago de cuidado" e formular recomendações para as políticas públicas no domínio da articulação da vida profissional, familiar e pessoal, enquanto instrumento para a igualdade de género.

O INUT envolve uma amostra superior a dez mil pessoas e foi realizado entre Abril e Novembro do ano passado pelo Centro de Estudos para a Intervenção Social em parceria com a Comissão para a Igualdade no Trabalho.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 28 jun, 2016 11:56
    Não se está a pensar, com certeza, nas que são mães, donas de casa e esposas, entre muitas outras coisas!? Quere-se fazer tudo igual quando há enormes diferenças, no caso da Mulher, par melhor!? Como ser humano que nasci masculino tenho muita gratidão pela minha Mãe e pelas Mulheres a quem muito devo!
  • Rodrigo
    28 jun, 2016 porto 10:17
    O facto do homem passar mais tempo no emprego não conta porquÊ? Talvez se fosse a mulher a trabalhar mais fora de casa, e o homem a trabalhar em casa, veria, de certeza, uma noticia a insinuar que o trabalho profissional tem mais importancia que o trabalho doméstico. O que interessaria era tornar a mulher uma vitima, seja de que maneira for... Media, por favor, deixem de dividir ainda mais os géneros. Se se dizem canais de informação imparciais, publiquem artigos sobre as desvantagens do homem, de vez em quando..
  • Joel
    28 jun, 2016 Santarém 09:04
    Pelo menos mais 2h trabalha a minha mãe em casa todos os dias.