Tempo
|
A+ / A-

Grupo de refugiados acompanhou Papa na audiência geral

22 jun, 2016 - 15:53 • Ecclesia

Francisco desafiou católicos a “tocar” o sofrimento dos mais necessitados.

A+ / A-
Papa leva refugiados para o pódio. "Por favor, são nossos irmãos"
Papa leva refugiados para o pódio. "Por favor, são nossos irmãos"

O Papa fez-se acompanhar esta quarta-feira na audiência geral por um grupo de refugiados acolhido pela Cáritas de Florença (Itália), com o lema “Por um futuro em conjunto”.

“Hoje acompanham-me estes rapazes. Muitos pensam que seria melhor que tivessem ficado na sua terra, mas ali sofriam tanto. São os nossos refugiados, mas muitos consideram-nos como excluídos. Por favor, são os nossos irmãos. O cristão não exclui ninguém, dá lugar a todos, deixa vir todos”, disse, no decorrer do encontro com peregrinos de todo o mundo.

Os 13 refugiados de origem africana foram ao encontro de Francisco no final do percurso do papamóvel pela Praça de São Pedro, no Vaticano, caminhando depois com o pontífice, para sentar-se diante da cadeira de onde o Papa apresentou a sua tradicional catequese semanal.

A intervenção papal sublinhou a importância de “tocar” o sofrimento dos mais necessitados, partindo do exemplo de Jesus Cristo que foi ao encontro dos leprosos do seu tempo, “excluídos” pela sociedade, “longe de Deus e longe dos homens”.

“Quantas vezes encontramos um pobre que vem ao nosso encontro. Podemos ser generosos, podemos ter compaixão, mas por norma não lhe tocamos. Oferecemos-lhe a moeda, mas evitamos tocar a mão, deitamo-la lá. Por favor, são nossos irmãos”, apelou.

O Papa confessou que repete em oração a frase que o Evangelho atribui a um leproso que se dirigiu a Jesus: “Senhor, se quiseres, podes purificar-me”.

“Tocar o pobre pode purificar-nos da hipocrisia e levar-nos a preocupar-nos com a sua condição”, assinalou, convidando os presentes a pensar nas suas próprias “misérias”.

No final da audiência, Francisco saudou os peregrinos e visitantes de língua portuguesa, em particular um grupo de Escuteiros de Leiria, encorajando-os a “apostar em ideais grandes de serviço, que engrandecem o coração e tornam fecundos” os talentos.

Após a catequese, o Papa saudou pessoalmente cada um dos refugiados que o acompanharam na audiência, oferecendo-lhes um pequeno presente.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+