Tempo
|
A+ / A-

Vaticano esclarece que hierarquia e carismas não são concorrentes na Igreja

14 jun, 2016 - 15:54 • Aura Miguel

Os movimentos e novas comunidades eclesiais têm um potencial que renova a vida da Igreja, na sua relação com o mundo contemporâneo, afirma um documento lançado esta terça-feira pela Congregação para a Doutrina da Fé.

A+ / A-

A hierarquia e os carismas não são concorrentes dentro da Igreja, nem se devem sobrepor, disse esta terça-feira a Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), realçando que ambos são essenciais.

“Não há duas igrejas – a sacramental e a carismática –, o que há é diferentes carismas que enriquecem a Igreja”, afirmou o prefeito da CDF, o Cardeal Müller, num documento dirigido aos bispos de todo o mundo com o título “A Igreja rejuvenesce”.

Os movimentos e novas comunidades eclesiais têm um potencial que renova a vida da Igreja, na sua relação com o mundo contemporâneo, afirma o documento.

A variedade dos carismas “é um dom que importa valorizar e inserir na vida da Igreja, sempre em comunhão com os pastores”, porque “a dimensão carismática nunca pode faltar na vida e na missão da Igreja”.

O documento aponta ainda oito critérios para “discernir os carismas autênticos” e também define critérios para o “reconhecimento jurídico destas novas realidades”.

“Não se trata de superar conflitos, nem de introduzir novos conceitos”, diz o Prefeito da Fé, mas sim de “integrar a dimensão carismática da Igreja, tal como sempre valorizou o Concílio Vaticano II”.

Na conferência de imprensa desta manhã, no Vaticano, também o cardeal Ouellet, prefeito da Congregação dos Bispos, sublinhou o caracter positivo deste documento, que “apela à comunhão entre hierarquia e carismas, sobretudo, num tempo de secularismo em a prioridade é dar testemunho de comunhão e santidade”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+