Tempo
|
A+ / A-

Obra da Rua: Padre acusado de maus-tratos vítima de "achincalhamento e desprezo"

25 mai, 2016 - 14:46

Direcção da Obra da Rua lembra trabalho pioneiro, iniciado no tempo em que "não havia centros de saúde", de acolhimento daqueles que "os hospitais mandavam 'viver' para 'debaixo da ponte'".

A+ / A-

A direcção da Obra da Rua considera que o padre da Obra do Calvário, em Paredes, acusado maus-tratos e ofensa à integridade física, está a ser vítima de "achincalhamento e desprezo".

Num comunicado publicado na página de Facebook da Obra da Rua, a direcção da instituição lembra que o padre Batista fez, há 60 anos, "algo que nunca havia sido feito, nem em Portugal nem em qualquer outra parte do mundo", acolhendo os "completamente abandonados, que até os hospitais mandavam 'viver' para 'debaixo da ponte'".

"O nosso companheiro Padre amou até ao fim os seus doentes, brincou com eles, lavou-os, deitou-os, levantou-os todos os dias pelo nascer do dia, alimentou-os, cuidou das suas enfermidades com qualificação técnica sem canudo (há 60 anos não havia Centros de Saúde, nem nada para os incuráveis), estudou, reflectiu, aprendeu da única forma que era possível e ficou a saber e a saber fazer mais e melhor que muitos dotados de canudo", lê-se no comunicado.

A direcção da Obra da Rua entende que o acusado "recebe agora, próximo do fim", a "alta condecoração" de ser "exaltado na ignomínia pelos falsos amigos dos Homens".

Dirigindo-se aos "senhores detentores da injustiça humana", a direcção da Obra da Rua proclama que "a Justiça nunca deixa de se realizar" e diz confiar em que "a Misericórdia que o nosso Papa Francisco vem proclamando, vencerá todo o mal".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fields
    25 mai, 2016 lx 19:10
    A justiça já algum tempo que patrocina uma nova modalidade de julgamento, o julgamento na praça pública. Dos senhores da justiça muito poucos poderão afirmar que alguma vez fizeram algo "de borla" pelo país mas enchem-se de importância quando fazem acusações que amiúde não se confirmam em julgamento, pelo menos no julgamento que é feito dentro do tribunal.
  • 25 mai, 2016 16:35
    Estou de acordo com o relato acima descrito,Mas quem inventou os maus Tratos ?não se brinca com a dignidade dos outros.a mentira pode levar as pessoas á cadeia.que apurem a verdade.

Destaques V+