Tempo
|
A+ / A-

Francisco recebeu o imã da Universidade de Al-Azhar, reestabelecendo relações

23 mai, 2016 - 15:53

A Santa Sé disse que o encontro de meia hora tinha sido “muito cordial”. Vaticano e Al-Azhar não tinham relações formais desde 2011.

A+ / A-

O Papa recebeu esta segunda-feira, no Vaticano, o grande imã da Universidade al-Azhar, no Egipto.

Ahmad Al-Tayyeb lidera a mais importante instituição do Islão sunita, sediada no Cairo, e este encontro marca o restabelecimento de relações após o corte anunciado em 2011.

É mais um passo no diálogo inter-religioso, pela paz e contra o terrorismo.

O encontro foi marcado por mensagens de diálogo e paz, e tem um grande significado no quadro do relacionamento entre a Igreja Católica e o Islão, no diálogo inter-religioso e no esforço pela paz internacional e luta contra o terrorismo.

A recusa da violência e do terrorismo foi assunto central do encontro, mas em cima da mesa esteve ainda a situação dos cristãos no contexto dos conflitos e das tensões no Médio Oriente e a necessidade de promover a sua protecção.

O encontro, considerado “muito cordial” pelo Vaticano, durou cerca de 30 minutos e terminou com uma troca de presentes e um abraço entre Francisco e o grande imã de al-Azhar.

A Universidade Al-Azhar é das mais antigas e conceituadas no mundo islâmico, tendo sido fundada no século X. O discurso de Bento XVI em Ratisbona, em 2006, levou a uma crise nas relações com o Vaticano e estas foram totalmente abandonadas em 2011 depois de o Papa ter lamentado publicamente a perseguição dos cristãos egípcios, depois de um massacre no dia de Natal, na cidade de Alexandria.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    24 mai, 2016 Cacém 10:33
    Hoje, ao contrário de 2006, os discursos culpam a fome e a miséria. Isto apesar dos autores dos atentados terroristas serem pessoas com formação, inclusive superior. O terrorismo é apenas uma maneira, de numa guerra, um dos lados sem poder "convencional" levar a destruição ao coração do inimigo. Os "terroristas" são apenas "operacionais", que executam ordens.

Destaques V+