Tempo
|
A+ / A-

Papa pede que cimeira humanitária de Istambul responda a “situações dramáticas”

22 mai, 2016 - 12:02 • Ecclesia

O Papa recordou que a Santa Sé vai participar neste encontro, com a presença do secretário de Estado, cardeal Pietro Parolin.

A+ / A-

O Papa Francisco associou-se este domingo à primeira Cimeira Humanitária Mundial promovida pela ONU, que vai decorrer em Istambul entre segunda e terça-feira, recordando as “dramáticas situações humanas” que exigem respostas.

“Amanhã (segunda-feira) vai começar em Istambul, na Turquia, a primeira Cimeira Humanitária Mundial, destinada a reflectir sobre as medidas a adoptar para ir ao encontro das dramáticas situações humanas causadas por conflitos, problemas ambientais e pobreza extrema”, referiu, desde a janela do apartamento pontifício, no Vaticano.

Perante milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro para a recitação do ângelus, Francisco convidou à rezar pelos participantes no encontro de Istambul, “para que se comprometam plenamente a realizar o principal objectivo humanitário”, ou seja, “salvar a vida de cada ser humano, sem excluir ninguém, em particular os inocentes e os mais indefesos”.

O Papa recordou que a Santa Sé vai participar neste encontro, com a presença do secretário de Estado, cardeal Pietro Parolin.

A comitiva integra ainda o observador permanente da Santa Sé junto das Nações Unidas em Nova Iorque, Bernardito Auza; e o antigo observador na ONU em Genebra, D. Silvano Tomasi, actualmente ao serviço do Conselho Pontifício Justiça e Paz.

Mais de 50 líderes mundiais dos quatro continentes e 5000 intervenientes vão estar presentes nesta Cimeira Humanitária Mundial, debatendo linhas de acção e compromissos concretos comuns com o objectivo de garantir a Agenda para a Humanidade 2030.

O presidente da confederação internacional da Cáritas, “Caritas Internationalis”, vai ser um dos oradores da em Istambul.

O cardeal Luis Antonio Tagle salienta, em comunicado divulgado pela organização católica de acção humanitária, que perante desafios como “a guerra, o extremismo, a crescente desigualdade social, as mudanças climáticas e a escassez de água”, é urgente “um sistema de ajuda que seja capaz de ir ao encontro das necessidades”.

A Cimeira Humanitária Mundial é, para este responsável, uma “oportunidade para transformar todo o sistema de ajuda” às populações, potenciando mais as “organizações locais”.

A delegação portuguesa, liderada pelo primeiro-ministro, António Costa, inclui o ex-alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), António Guterres, bem como a secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Teresa Ribeiro.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+