Tempo
|
A+ / A-

Bispo disposto a morrer se pena capital voltar às filipinas

21 mai, 2016 - 11:17

O novo Presidente quer reintroduzir a pena de morte nas Filipinas, mas o bispo de Lipa diz que tomará o lugar de qualquer criminoso que seja condenado a esta pena.

A+ / A-

O bispo Ramón Cabrera Argüelle, da diocese de Lipa, nas Filipinas, está disposto a dar a vida no lugar de criminosos que sejam condenados à morte, caso a pena capital seja reintroduzida naquele país.

O novo presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, diz que quer trazer de volta a pena de morte, que foi abolida em 2006. Duterte pretende castigar desta forma os condenados por crimes particularmente graves, categoria que para ele inclui homicídio, violação, tráfico de droga e até roubo de automóveis.

Mas a Igreja Católica já prometeu opor-se com todo o vigor a este plano. Com cerca de 90% da população a professar-se católica, e com altos índices de prática religiosa, a Igreja pode ser um adversário difícil para o novo Presidente.

“O arcebispo de Lipa voluntaria-se para ser executado no lugar de todos aqueles que o Governo pretenda enforcar. Não foi isso que Cristo fez?”, afirmou o bispo, referindo-se a si mesmo na Terceira pessoa, em declarações citadas pelo site “Crux”.

O restante episcopado não foi tão longe, mas vários bispos têm criticado o plano e o presidente da Conferência Episcopal já disse que quer agendar uma reunião com Duterte para tentar dissuadi-lo de repor a pena de morte.

“Como pessoas de fé, não defendemos a pena capital porque não temos o direito de decidir quem deve viver e quem deve morrer”, afirmou o padre Lito Jopson, do gabinete de comunicação da conferência episcopal.

A decisão, diz, não se baseia em popularidade mas “nos princípios morais da fé católica, e a fé exige que se respeite a dignidade de todas as pessoas”, afirma o sacerdote.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pedro Rodrigues
    09 ago, 2016 Beja 20:13
    Fossem todos os homens da igreja de igual fibra. Um grande!

Destaques V+