A+ / A-
Páscoa 2016

​Papa condena “fundamentalismos que profanam o nome de Deus”

25 mar, 2016 - 22:38

Francisco participou na Via Sacra que se realizou, como habitualmente, no Coliseu de Roma.
A+ / A-
As "cruzes" da sociedade actual, segundo o Papa
As "cruzes" da sociedade actual, segundo o Papa

O Papa condenou “fundamentalismos e o terrorismo dos seguidores de alguma religião que profanam o nome de Deus”. Francisco deixou esta mensagem no Coliseu de Roma, onde esta sexta-feira à noite participou na Via Sacra.

Sem nomear directamente os mais recentes atentados, Francisco reiterou a clara condenação do terrorismo. Na sua intervenção, o Papa comparou a cruz de Cristo ao sofrimento dos que são assassinados e vítimas destes actos.

Francisco aludiu ainda aos “vendedores de armas que alimentam a fornalha das guerras com o sangue inocente dos irmãos” e aos “idosos abandonados pelos seus familiares, nas pessoas com deficiência e nas crianças desnutridas e descartadas pela nossa sociedade egoísta e hipócrita”.

Antes da intervenção do Papa, ouviram-se as meditações da Via Sacra, este ano escritas pelo cardeal italiano Gualtiero Bassetti, arcebispo de Perugia (no centro de Itália).

Migrantes rejeitados, crianças vítimas de abuso sexual, idosos abandonados e maltratados, escravidão, abuso e exclusão de todos os tipos foram denunciados na presença do Papa Francisco, de 79 anos, sentado num trono vermelho, ao lado de uma grande cruz de metal, iluminada com tochas.

Dois sírios, um russo, um chinês e um centro-africano foram escolhidos para transportar uma cruz de madeira, pela histórica arena, onde se crê que morreram milhares de cristãos, durante o império romano.

Dezenas de milhares de pessoas marcaram presença, no Coliseu de Roma, depois de terem passado por fortes controlos de segurança.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.