|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

40 anos de prisão. Karadzic condenado pelo massacre de Srebrenica

24 mar, 2016 - 14:01

A sentença foi lida esta quinta-feira no Tribunal Penal Internacional, na cidade holandesa da Haia.

A+ / A-
40 anos de prisão. Karadzic condenado pelo massacre de Srebrenica
40 anos de prisão. Karadzic condenado pelo massacre de Srebrenica

O antigo líder sérvio da Bósnia, Radovan Karadzic, foi esta quinta-feira condenado a 40 anos de prisão por dez dos 11 crimes de que estava acusado. O Tribunal Penal Internacional (TPI) para a ex-Jugoslávia considerou Karadzic culpado de genocídio.

A instância judicial considerou-o culpado pelo massacre de Srebrenica, em 1995, o pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

O TPI considerou Karadzic, agora com 70 anos, condenou-o também por crimes de guerra e contra a humanidade. Os crimes de que é acusado provocaram 100 mil mortos entre 1992 e 1995.

O advogado de defesa de Karadzic já fez saber que vai recorrer da sentença.

Com a confirmação desta acusação, Karadzic é o primeiro indiciado do TPI a ser condenado por genocídio durante as guerras jugoslavas, uma sentença que poderá ter um enorme impacto para as organizações das vítimas e a opinião pública de Sarajevo, que em 2008 celebrou a sua detenção.

Do lado sérvio, muitos consideram pelo contrário o TPI como uma jurisdição parcial, e esta sentença poderá ser explorada de forma nacionalista pelo governo de Banja Luka, capital da entidade sérvia da Bósnia.

Carlos Gaspar, investigador do Instituto Português de Relações Internacionais, diz que o massacre de Srebrenica é um “momento de vergonha da história europeia”. Este especialista do IPRI lembra que “forças militares holandesas da União Europeia entregaram às milícias sérvias vários milhares de muçulmanos da Bósnia-Herzegovina que estavam sob a sua protecção numa zona protegida especial”.

Nestas declarações à Renascença, Carlos Gaspar lembrou ainda que o massacre de Srebrenica acabou por ser um ponto de viragem na guerra da Bósnia, uma vez que foi o acontecimento que conduziu à primeira missão internacional da NATO.

“É a partir do massacre de Srebrenica quer nos Estados Unidos quer na Alemanha e na França que finalmente se forma uma corrente forte que leva a uma intervenção decisiva com intervenção do Presidente Clinton a NATO decide enviar uma missão expedicionária. É um momento de viragem nas políticas ocidentais que está na origem da primeira missão internacional importante da NATO e do fim da guerra civil na Bósnia-Herzegovina”, acrescenta.

Veja a reportagem da Renascença "Na Bósnia, 20 Anos são dois dias"

[actualizado às 19h12]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Alberto
    24 mar, 2016 Sesimbra 21:10
    Não sei quem é o Senhor Carlos Gaspar, mas não concordo quando ele diz que as “forças militares holandesas da União Europeia entregaram às milícias sérvias vários milhares de muçulmanos da Bósnia-Herzegovina que estavam sob a sua protecção numa zona protegida especial”, isso não é verdade, eles não entregaram ninguém, mas também não o impediram porque eles tinham pedido ajuda a outras forças da parte da França e da Alemanha, e como não receberam nenhuma ajuda, eles sós não tinham qualquer hipótese em enfrentar o exercito Sérvio.
  • antonio penedo
    24 mar, 2016 almada 18:34
    também a justiça feita pelo tribunal de Haia é obtusa a investigar, analisar e julgar. Este é responsável por umas poucas dezenas d milhar d mortes e é acusado de tudo e mais alguma coisa! entã e os dirigentes ocidentais q invadiram e mataram centenas d milhares d muçulmanos e q em consequência disso transformaram o mundo numa bomba nuclear?! refiro-me concretamente ao bush, blair, aznar e barroso? como são assassinos ocidentais, já tudo lhes é permitido. os jornalistas colaboram na palhaçada da justiça ao n denunciarem estes casos, merecedores d serem analisados e julgados.
  • Francisco Rodrigues
    24 mar, 2016 Algés 18:29
    Sim também considero o TPI parcial e movido por "raivas" ideológicas. Vai seguramente provocar graves fracturas naquela região. TODAS AS PARTES ENVOLVIDAS NA GUERRA PROVOCARAM MASSACRES. PORQUE É QUE OS OUTROS ASSASSINOS NÃO SÃO JULGADOS? e há outros genocidas que se passeiam com total impunidade pelo planeta. O TPI emitiu DOZE mandados de captura contra governantes do SUDÃO por crimes contra a humanidade no DARFUR. Desde há vários anos que esses governantes viajam alegremente pelos países muçulmanos e até há pouco tempo aconteceu na África do Sul. Que fez o TPI: NADA O que fez a comunicação social? NADA o que fez a comunidade Internacional? NADA - A NATO de Clinton, Blair, Guterres etc bombardeou a então Yugoslavia SEM RESOLUÇÃO DO C.S. DA ONU! o que fez o TPI? NADA! Merece credibilidade um tribunal destes? CLARO QUE NÃO
  • Joaquim Justo
    24 mar, 2016 Montreal 17:52
    Nao sei até que ponto este homem é culpado. Nao segui o processo nem sou especialista em coisas de justiça. Mas ha uma coisa que quero dizer. Este homem foi julgado e condenado por crimes cometidos, e certamente com razao. Mas foi tambem julgado porque vem de um pequeno pais. O bush ou qualquer dos seus cidadaos, militares ou civis nunca serao julgados por este tribunal. , porque é norte americano e os EU nem sequer reconhecem o tribunal internacional de Haia. Estamos no mesmo planeta mas uns sao mais terraqueos que outros. Esta é a justiça dos homens.
  • emaria
    24 mar, 2016 porto 16:01
    andam a brincar com o fogo. mais achas para um futuro de terror na europa. a guerra na Bósnia é um mosaico de influências, e interesses que um dia virão à luz do dia. não estarei cá, mas basta ver o que se passa hoje em dia para prever sem dificuldade os custos de intervenções desastrosas.