Tempo
|
A+ / A-

Coreia do Norte condena pastor canadiano a prisão perpétua e trabalhos forçados

16 dez, 2015 - 16:58

A acusação pedia pena de morte, mas a defesa pediu complacência para que o condenado possa “ver por si a realidade da nação do Sol enquanto cresce em poder e prosperidade”.

A+ / A-

Veja também:


A Coreia do Norte condenou esta quarta-feira um pastor protestante canadiano, de ascendência coreana, a prisão perpétua com trabalhos forçados por ter tentado derrubar o regime.

Hyeon Soo Lim foi detido pelas autoridades coreanas em Fevereiro de 2015, durante uma das muitas visitas que já vez ao país. O pastor evangélico estava envolvido em trabalho humanitário e já tinha ajudado a fundar um orfanato e um lar de idosos.

Depois da detenção, as autoridades de Pyongyang divulgaram uma confissão em que Lim assumia ter praticado crimes contra o Estado.

De acordo com a agência oficial da Coreia do Norte, durante o julgamento, o acusado admitiu ainda “não só ter difamado de forma feroz a mais alta dignidade da Coreia e o seu sistema, mas também de possuir a cruel intenção de derrubar a república através de uma conspiração antiestatal”.

As autoridades coreanas não especificam os crimes do cidadão canadiano, mas, segundo a agência noticiosa Xinhua, da China, Hyeon Soo Lim terá ajudado cidadãos da Coreia do Norte a fugir do país, nomeadamente através da Mongólia.

A acusação pedia pena de morte, mas a defesa pediu complacência para que o condenado possa “ver por si a realidade da nação do Sol enquanto cresce em poder e prosperidade”.

Hyeon Soo Lim tem mais de 60 anos e, segundo familiares e amigos, tem problemas de saúde que requerem medicação, o que levanta preocupações sobre o seu estado e a forma como reagirá a trabalhos forçados e ao sistema prisional da Coreia do Norte.

Esta não é a primeira vez que a Coreia do Norte detém cidadãos ocidentais. Em Dezembro de 2012, foi detido o americano Kenneth Bae, também de ascendência coreana, por actividades missionárias. Bae foi condenado a 15 anos de trabalhos forçados, mas libertado e deportado ao final de dois anos.

O Canadá ainda não comentou oficialmente esta situação.

Embora a Coreia do Norte diga que respeita a liberdade religiosa, na verdade todas as actividades religiosas fora do controlo do Estado são severamente perseguidas e punidas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ezequias Costa
    18 dez, 2015 sao paulo 21:17
    Lamentavel. Triste. Vamos sofrer juntos. Deus tenha misericordia.
  • mundotriste
    17 dez, 2015 dequalquerlado 09:55
    Este mundo está podre. Há meia duzia de idiotas com o mundo nas mãos a fazerem o que bem entendem e as vitimas a sofrerem as consequências...
  • Jorge
    16 dez, 2015 Coimbra 22:26
    É assim os regimes comunistas. Entre o comunismo e o nazismo, a diferença é zero!
  • Cláudio Anaia
    16 dez, 2015 Barreiro 19:59
    Lembro que este PS de António Costa fez coligação com o PCP, partido que defende o regime da Coreia do Norte. Este pastor evangélico, meu irmão em Cristo,por defender a sua fé , desenvolver trabalho humanitário, tentado ajudar a fundar um orfanato e um lar de idosos. foi condenado a prisão perpetua e trabalhos forçados. E a acusação até pedia pena de morte.... Esta gente, não tem o mínimo respeito pela defesa da liberdade, da democracia e dos direitos humanos.
  • freitas
    16 dez, 2015 Amadora 19:53
    Só assim se vê a liberdade do PC:::::

Destaques V+