Tempo
|
A+ / A-

Exposição mostra a "condição de todas as pessoas que vêm a Fátima"

28 nov, 2015 - 10:45 • Paula Costa Dias

"Terra e Céu: peregrinos e santos de Fátima” vai estar patente ao público até Outubro do próximo ano.

A+ / A-

“Terra e Céu: peregrinos e santos de Fátima” é o tema da exposição que o Santuário inaugura este sábado, no Convivium de Santo Agostinho, no piso inferior da Basílica da Santíssima Trindade.

Trata-se de uma exposição que, segundo o comissário Marco Daniel Duarte, “procura mostrar a condição de todas as pessoas que vêm a Fátima, habitam este lugar e que percebem que o lugar pode contribuir para a sua santificação pessoal, para a sua caminhada em direcção a Deus”.

Muitos destes peregrinos são desconhecidos, outros “tornaram-se notáveis e foram dados como exemplos pela Igreja para serem seguidos”, justificando o também director do Serviço de Estudos e Difusão do Santuário que, por isso, “esta exposição acaba por fazer esta ponte entre a terra e o céu, através daquilo que é a leitura cristã da vida e mostrando como o Santuário de Fátima foi, ao longo dos tempos, um cenário privilegiado para o cruzamento destas pessoas todas nessa intenção de chegada a Deus”.

A exposição está dividida em três núcleos. Marco Daniel Duarte explica que “o primeiro núcleo pretende ser uma leitura cristã do início da caminhada em direcção à santidade, que é o baptismo”. O segundo núcleo transmite a mensagem de que todos somos peregrinos e dá uma atenção particular aos pés, “com uma intervenção escultórica que vai mostrar sapatos de várias origens, desde os mais aos menos sofisticados” que representam “esta humanidade que caminha”.

O terceiro núcleo vai dizer “como é que a Igreja cuida destas pessoas que se fazem peregrinas”. E cuida através dos sacramentos, explica Marco Daniel Duarte, “desde logo a Eucaristia mas também todos os outros sacramentos e formas de entender os sacramentos que, ao fim ao cabo, radicam todos na cruz e no mandamento novo, na última ceia, no lava-pés”.

Quanto às peças expostas, algumas pertencem ao espólio do Museu de Fátima. É o caso de uma que desde 1967 não é vista. “Estava no trono da Basílica de Nossa Senhora do Rosário e, com a intervenção que ali está a ser feita, vai agora ser vista pela primeira vez”, anuncia Marco Daniel Duarte, que explica que se trata de “uma coroa enorme feita de prata e que poderá ser vista no final da exposição”. Muitas outras peças foram cedidas, a título de empréstimo, por instituições e particulares, como a que abre a exposição e que vem do Museu Diocesano de Santarém.

A exposição é inaugurada às 14h30 deste sábado e estará patente até 31 de Outubro de 2016.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+