Tempo
|
A+ / A-

“Quando Jesus nos chama não nos canoniza”, diz o Papa a religiosos

26 nov, 2015 - 14:40 • Aura Miguel no Quénia e Filipe d’Avillez

Num discurso improvisado, Francisco disse aos padres, religiosos e religiosas do Quénia que nunca deviam deixar de chorar.

A+ / A-
Os "conselhos" e "raspanetes" do Papa aos religiosos
Os "conselhos" e "raspanetes" do Papa aos religiosos

“É claro que quando Jesus nos chama não nos canoniza. Continuamos a ser os mesmos pecadores”. Foi neste tom que o Papa se dirigiu a um grupo grande de padres, religiosos e religiosas com os quais se encontrou no Quénia.

Deixando de lado o discurso que tinha preparado, Francisco começou por pedir desculpa por não se poder dirigir aos presentes em inglês e explicou que falaria em espanhol, com tradução simultânea.

O Papa referiu que há pessoas que quando se sentem chamadas por Deus querem procurar um caminho mais fácil de o seguir. “Seguir Jesus no sacerdócio ou na vida consagrada implica passar pela porta, que é Cristo. Há alguns que querem entrar pela janela, mas isso não serve. Se alguém tem um companheiro ou companheira que entrou pela janela, abrace-o mas diga-lhe que é melhor que vá servir o Senhor noutro lado, porque nunca vai concluir uma obra que não começou pela porta que é Jesus”, disse Francisco.

Grande parte do resto do discurso foi dedicado a sublinhar a importância do serviço e da humildade das pessoas que têm vocação religiosa. Humildade para reconhecer que o chamamento não equivale a uma canonização, como referiu o Papa e para colocar os olhos nos exemplos dos apóstolos. “Lembram-se de quando Tiago chorou? E quando chorou João? Não. E quando chorou algum dos outros? Não. Apenas um chorou, segundo o Evangelho, aquele que percebeu que era pecador, tão pecador que traiu o Senhor. Quando o percebeu chorou. Depois Jesus fê-lo Papa. Quem entende Jesus? É um mistério. Nunca deixem de chorar.”

Este choro – o dom das lágrimas, como o Papa lhe costuma chamar – deve ser universal. “Quando um padre, religioso ou religiosa tem lágrimas secas, algo se passa. Chorar pela própria infidelidade; pelo mundo; pelos descartados; os abandonados; os bebés assassinados; pelas coisas que não entendemos; chorar quando nos perguntam: Porquê? Nenhum de nós tem todas as respostas às perguntas.”

O pior que pode acontecer a um religioso, diz o Papa, é o pecado da indiferença. “Um pecado muito grave, que Deus detesta, que o leva a vomitar, o pecado da tibieza”.

Francisco recordou também uma história pessoal para falar da importância da noção de serviço. “Há cerca de um ano, num encontro de sacerdotes, cada dia havia um turno de sacerdotes que tinham de servir à mesa. Alguns queixaram-se. ‘Não, nós temos de ser servidos. Pagámos para sermos servidos’. Por favor, nunca deixem isso acontecer na Igreja. Sirvam, não deixem ser servidos.”

Com um discurso pontuado por muitas piadas e risos, Francisco mostrou-se muito à vontade com o seu ambiente e deixou encantados os padres, religiosos e religiosas encantados com as suas palavras, deixando para o final um forte agradecimento a todos os que dedicam a sua vida a servir os outros.

A Renascença em África com o Papa Francisco. Apoio: Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuela
    27 nov, 2015 Almada 13:24
    Este "Grande Homem"merece o respeito de todo o Mundo quer seja religioso ou não,a sua bondade e carácter não tem igual.Bem Hajas por existir e passar pela vida de todos nós,que Deus esteja sempre contigo e te proteja de todo o mal.
  • Luís
    27 nov, 2015 Angra 00:07
    Apenas merece o elogio mais simples para grandes palavras, "temos aqui um grande Homem". Não sendo eu católica não posso ficar indiferente.

Destaques V+