A+ / A-

Os mosquitos africanos e um convite a Francisco para visitar Lisboa

25 nov, 2015 - 19:20 • Aura Miguel , no Quénia

Na viagem para África, um jornalista perguntou ao Papa se não receava a falta de segurança. Resposta imediata: “Estou mais preocupado com os mosquitos... E você, trouxe repelente?”

A+ / A-
Os mosquitos africanos e um convite a Francisco para visitar Lisboa
Os mosquitos africanos e um convite a Francisco para visitar Lisboa

“Quando vier a Lisboa, esta imagem espera por si”!

Francisco sorriu com o meu convite para visitar o bastião dos jesuítas em São Roque, mas gostou ainda mais quando pegou na bela imagem de Nossa Senhora do Pópulo, oferecida pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

A versão original está em Roma, na Basílica de Santa Maria maior, e é diante dela que Francisco gosta de rezar, quando viaja para fora de Itália.

A reprodução oferecida ao Papa é uma das mais antigas, mandada fazer no século XVI pelo jesuíta São Francisco de Bórgia e trazida para Lisboa.

O Papa jesuíta ficou entusiasmado. Quem sabe se, em 2017, poderá visitar São Roque...

A bordo do avião houve, como sempre, muita conversa.

Uma jornalista francesa ofereceu a Francisco dois repelentes por causa dos mosquitos.

Poucos metros depois, uma outra colega dos EUA perguntou-lhe se não receava a falta de segurança nesta viagem. A resposta do Papa foi imediata: “Estou mais preocupado com os mosquitos... E você, trouxe repelente?”

Já em terras africanas, Francisco teve outras coisas em que pensar, quer no encontro com as autoridades e responsáveis políticos, quer ao longo das estradas que percorreu, com milhares de pessoas na rua para acolher e saudar o ilustre visitante, apesar das fortes chuvadas.

A Renascença em África com o Papa Francisco. Apoio: Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+