A+ / A-

​O Deus natural, sentimental e privado de Maria de Belém

12 nov, 2015 - 21:56 • Eunice Lourenço

Na Conversa sobre Deus desta semana, a candidata presidencial garantiu uma separação radical entre vivência privada da fé e as posições públicas e as decisões políticas. “Não sou dogmática” e “acho que não devo exibir as minhas crenças”, afirmou a ex-ministra e ex-presidente do PS.
A+ / A-

Veja também:


“A Santa Madre Igreja é organização e a minha religião é sentimento” foi com esta frase e uma referência a Antero de Quental que Maria de Belém Roseira, ex-ministra e ex-presidente do PS, resumiu a sua fé e a sua relação com Deus.

No Conversas com Deus desta semana, na Capela do Rato, a agora candidata presidencial falou de religião e de política, dando testemunha de uma vivência de fé individual e de uma relação com Deus que diz ser “natural”, mas que tem dificuldade em “transformar em algo de figurativo”.

Na conversa dirigida por Maria João Avillez, Maria de Belém contou que nasceu numa casa de “católicos praticantes e onde a educação religiosa fazia parte da educação”, mas preferiu definir-se como “profundamente cristã” e disse que acredita no cristianismo “não só como religião, mas como filosofia de vida”.

Aprendeu da mãe “preocupar-se com as pessoas humildes porque as poderosas não precisam” e na família era muito valorizado o conceito do anjo da guarda como sinal de uma “relação de protecção”. Mas questionada sobre quando passou dessa vivencia mais infantil da fé para uma relação adulta com Deus, a candidata presidencial assumiu que tem alguma dificuldade em responder.

“A relação com Deus é uma relação em função de uma ordem universal. Há qualquer coisa que existe, mas que tenho dificuldades em transformar em algo figurativo. É algo como o ar que respiro, é natural, quase não sinto”, afirmou Maria de Belém, que, ao longo de quase uma hora de conversa, foi desfiando uma visão de Deus mais próxima dos conceitos New Age (designação genérica para correntes de espiritualidade que misturam conceitos espirituais e psicológicos e uma simbiose com o meio envolvente e com a natureza) do que do Deus Uno e Trino da Igreja Católica.

“Não sou dogmática”, afirmou várias vezes a ex-ministra da Saúde, acrescentando: “A minha prática de fé é mais feita em acção do quem em formalismo, sou mais sentimento do que forma, sou muito mais acção e substância do que forma.”

“A fé não me vai atrapalhar de certeza”

Maria de Belém Roseira também fez questão de garantir uma separação radical entre a vivência pessoal da fé e a vida pública e as opções políticas, assumindo mesmo que “pode ser completamente diferente” a opção privada e a definição de políticas públicas. “Acho que não devo exibir as minhas crenças”, disse perante uma plateia em que estavam vários apoiantes como Vera Jardim e Eduardo Marçal Grilo. E, questionada sobre se a fé pode ter influência no desempenho das funções, se for Presidente da República, respondeu: “A fé não me vai atrapalhar de certeza.”

Já sobre se vai continuar a ir à missa se for eleita para Belém, a candidata disse que sim, mas como faz agora: “Quando quero ir, quanto me apetece ir e não pela rotina.” Ou seja, não vai à missa ao domingo porque não gosta de “cumprir rituais” e considera que há formas mais importantes de estar com Deus.

“Vejo Deus na natureza. Deus está em toda a parte. Contemplar Deus num parque é mais importante do que ir à missa”, afirmou Maria de Belém que, ainda assim, disse que fez alguma forma de oração antes de decidir candidatar-se a Presidente da República. “Todas as decisões importantes da minha vida passam pela inovação de um poder superior a mim”, afirmou.

E como é a sua oração?, perguntou Maria João Avillez. “Rezo por palavras minhas e gosto muito do Pai Nosso e da Avé Maria”, respondeu a candidata presencial mesmo no fim de uma hora de conversa em que também manifestou a sua admiração pela Papa Francisco e pela Doutrina Social da Igreja.

As "Conversas com Deus", conduzidas por Maria João Avillez, prosseguem na próxima quarta-feira, dia 18 de Novembro, com o seleccionador nacional Fernando Santos. Seguem-se Pedro Mexia, Carminho, Henrique Monteiro e João Taborda da Gama, sempre às quartas-feiras, às 21h30.

Esta é uma iniciativa da Capela do Rato, com o patrocínio da Renascença, que transmite o essencial de cada conversa às quintas-feiras, entre as 22h00 e as 22h30.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Francisco Melo
    14 nov, 2015 Carcavelos 15:21
    Pouca vergonha! A civilização ocidental, que já não é cristã, mas imposta pelo paganismo, estragou-se com as ideologias, cheias de erros e crimes, trocando JESUS CRISTO por teorias humanas. Não se pode servir a dois senhores: não se pode servir a DEUS e às ideologias. Também não foi isso que JESUS disse aos Seus discípulos, andar às escondidas. O maior disparate que este mundo fez, uma verdadeira aberração, foi pensar que é justo viver pubicamente como se DEUS não existisse, que as Suas LEIS (DOGMA, DEUS é VERDADE) não estivessem acima de tudo, também dos congressos. É só pela LEI DE DEUS que todos seremos julgados, pessoas físicas e jurídicas, todos, ninguém está acima da LEI DE DEUS. Quando se acredita no disparate de que publicamente se deve fazer como se DEUS não existisse - não foi isso que JESUS mandou fazer -, não se serve mais a DEUS, mas aos propósitos do Diabo. Quanto a mim, até por questão de bom senso e inteligência, não é possível não mostrar DEUS, o SUMO BEM, a todos, mesmo quando estou a dormir, em cada 24 horas do dia, sem excluir um décimo de segundo. Onde eu estiver, peço que DEUS esteja sempre comigo, até para poder fazer o bem que é impossível ser feito sem DEUS. Como disse JESUS, o pecado do mundo foi não ter crido n'ELE. Preferiu-se crises, misérias, infelicidade e risco de condenação, uma realidade de FÉ (DOGMA) que NOSSA SENHORA lembrou em Fátima.
  • Bernardo Bonito
    13 nov, 2015 Brighton and Hove 00:13
    Os conceitos new age sao conceitos gnosticos, ou por outras palavras da massonaria. Ir 'a missa para um Catolico e' importante no sentido de se encontar com Jesus e relembrar a ultima ceia, a crucificacao e ressurreicao e, de ouvir a palavra de Deus e de estar em comunidade... A oracao individual e' um encontro com Deus q deve ser diario. Acreditar num mais num Deus new age do que no Deus Uno e Trino significa que esta Senhora nao e' Crista embora se aproveite da Igreja.
  • rosinda
    12 nov, 2015 palmela 22:31
    faz o mesmo que sampaio da novoa ja disse que fazia!
  • rosinda
    12 nov, 2015 palmela 22:28
    imagine que a senhora esteja na posiçao do drcavaco silva o que faz??
  • rosinda
    12 nov, 2015 palmela 22:22
    o minha senhora eu ja nao acredito em nada que venha do ps!
  • rosinda
    12 nov, 2015 palmela 22:20
    o minha senhora nao me chatei-e se faz favor!