Tempo
|
A+ / A-

Terroristas vendem mulheres “como escravas"

09 nov, 2015 - 00:04

A denúncia é do Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

A+ / A-

O autoproclamado Estado Islâmico (EI) vendeu várias prisioneiras de guerra não muçulmanas "como escravas" aos seus combatentes feridos ou mutilados no nordeste da Síria, denunciou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

O director do OSDH, Rami Abderrahman, explicou que estas mulheres são "exploradas sexualmente", além de efectuarem trabalhos domésticos e ajudarem os combatentes.

A organização não-governamental acrescentou que os terroristas do EI decidiram vender as escravas por as famílias das populações locais não autorizarem casamentos das suas filhas com 'jihadistas' feridos em combate.

O OSDH, com sede em Londres e uma ampla rede de activistas na Síria, obteve testemunhos sobre as escravas na periferia da zona leste de Deir al Zur, capital da província homónima, sob controlo do EI.

A ong explicou que a venda de mulheres capturadas pelo EI, na Síria e no Iraque, é um negócio muito lucrativo para os dirigentes e membros do grupo.

Os jihadistas consideram estas mulheres, na maioria dos casos yazidis, minoria religiosa do norte do Iraque, "espólio da guerra contra os hereges".

Em Julho passado, o EI vendeu 42 prisioneiras yazidis na localidade de Al Mayadin, no leste da província síria de Deir al Zur, por valores que rondavam entre os 500 e os dois mil dólares por mulher.

Os terroristas proclamaram, em Junho de 2014, um califado nas zonas que controla na Síria e no Iraque.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    09 nov, 2015 Cacém 14:07
    Evidentemente "a maioria dos leitores não entende". Desde que se tratem bem as escravas! Quando se tratam bem os escravos, a Escravatura não faz mal nenhum! Dizem as pessoas "Lúcidas, Esclarecidas e Humanistas". E o Klu-Klux-Klan também!

Destaques V+