Tempo
|
A+ / A-

Sínodo. Bispos lamentam que não tenha havido tempo para tratar de assuntos importantes

22 out, 2015 - 18:40 • Aura Miguel , em Roma, e Filipe d’Avillez

Os participantes no sínodo sobre a família já estão a discutir o documento final, que no sábado será votado e depois apresentado ao Papa.

A+ / A-

O tempo de discussão do documento de trabalho do sínodo dos bispos já terminou, com os padres sinodais a analisar agora a proposta de documento final a apresentar ao Papa, mas há já quem lamente o facto de não ter havido tempo suficiente para falar dos problemas todos.

No "briefing" desta quinta-feira, o arcebispo José Gomez, de Los Angeles, disse que gostaria de ter falado mais sobre questões como a imigração e como ela afecta as famílias.

“Pessoalmente, gostaria que tivéssemos tido mais tempo para falar de certos assuntos. Por exemplo a questão da imigração. Temos 11 milhões de pessoas sem documentos nos Estados Unidos. Mais de dois milhões de pessoas foram deportadas nos últimos anos e um em cada quatro dessas pessoas fazia parte de uma família unida, por isso a emigração é um assunto importante para nós.”

José Gomez fala ainda de “os desafios que as famílias sentem com a realidade da economia em todo o mundo, questões de educação, são alguns dos assuntos que gostaria de ver mais bem retratados no documento final.”

Durante todo o dia de quarta-feira uma comissão de redactores esteve a trabalhar no documento final que está agora a ser analisado em plenário. Depois de incorporadas as últimas emendas e alterações, este será votado, parágrafo a parágrafo, no sábado, a tempo da conclusão do sínodo no domingo.

Missão do sínodo não é "fazer doutrina"

Um dos membros dessa comissão, o cardeal Oswald Gracias, de Bombaím, na Índia, esteve também no "briefing" e recorda que a missão do sínodo é aconselhar o Papa.

“Temos tido sempre em conta que este sínodo não está a fazer doutrina, mas está à procura de uma abordagem pastoral, das melhores linhas orientadoras. No sábado apresentaremos ao Papa o resultado das nossas reflexões. Mas trata-se de orientações gerais, não entram em grande detalhe”, explica.

Com cerca de 800 propostas de emenda ao "instrumentum laboris" (instrumento de trabalho), a redacção do documento final foi sobretudo um exercício de consenso. “Há opiniões diversas, o que procuramos é um texto que exprima as preocupações de todos mas também que dê uma orientação pastoral que seja aceitável para todos.”

“Todos compreendemos que há posições diferentes, mas quero dizer que a teologia progride, embora a doutrina se mantenha. Mas a nossa compreensão da disciplina da Igreja também progride. Acho que ainda estamos à procura. Não chegámos ainda às soluções, digo com franqueza, não temos muitas soluções aqui, mas pelo menos começámos a falar do problema e estamos a dizer que este problema tem de ser abordado, tem de ser estudado. Tenho a certeza que encontraremos um caminho. Isto já aconteceu antes na Igreja”, disse o cardeal indiano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Marcelino Chipa
    24 out, 2015 Angola; Provincia do Huambo 19:45
    Eu honestamente falando e apesar que vivo a condição de divorciado de facto me afeta muito esta situação. Gostava de dar o meu ponto de vista sobre as familias: Primeiro para dizer que a Igreja tem tomar a peito que os problemas de divorcios surgem sempre depois do acto consumado; por isso mesmo para mim seria bom se o Papa tomasse a peito que se veja a possibilidade de casamento pela segunda vez porque serviria para aqueles ou a quelas que mostram o outro comportamento depois do casamento. Acbo que se o vaticano tomar esta questão com firmeza acredito que vai diminuir a questão dos divorcios porque o cônjuge sabendo que se se portar mal o outro poderá ter outra possibilidade. E por outra que o vaticano dê uma possibilidade de as pessoas viverem juntos uns 5 ou dez anos só depois deviam casar. Mas que tenham direitos para baptizar os seh filhos.estes caminhos poderão minimizar desabores dentro doaa lares ou familias. É muita pena que o sínodo terminou sem ohpinião das pessoas que vivem estes problemas. Peço perdão por comentar tardiamente. Mas não tarde para se rever algumas decisões já tomadas sobre as damilias.

Destaques V+