A+ / A-

Acesso à comunhão: conselheiros do Papa em divergência

21 out, 2015 - 08:51 • Aura Miguel

Cardeal Pell rejeita delegação de decisões nas conferências episcopais. Cardeal Marx, que já disse não se considerar “uma filial de Roma”, vai esclarecer a sua posição esta quarta-feira. Ambos aconselham Francisco.

A+ / A-

“Católico significa universal e não continental”. A frase é do cardeal George Pell, prefeito do secretariado para os assuntos económicos do Vaticano e um dos nove cardeais conselheiros do Papa.

Em várias entrevistas agora publicadas, este cardeal australiano desmonta o argumento usado por outros colegas seus, que admitem delegar nas conferências episcopais a decisão de conceder, ou não, a comunhão aos divorciados.

Sem comentar as declarações de alguns bispos alemães, que prometem maior abertura independentemente do que resultar do sínodo, Pell recorda que pode haver muitas teologias, mas a doutrina cristã é a mesma para toda a gente, que os mandamentos são 10 - não cinco para a França e seis para a Alemanha.

Impossível é também, para Pell, que, por exemplo, no caso de duas pessoas divorciadas, na mesma situação, uma, ao comungar na Polónia, cometa um sacrilégio e a outra, ao fazê-lo na Alemanha, receba uma fonte de graça.

Já o cardeal Marx, presidente da conferência episcopal alemã, adopta uma posição diferente. O arcebispo de Munique, que também integra o grupo dos nove cardeais conselheiros do Papa, afirmou em Março passado: “Não somos uma filial de Roma” e “não podemos esperar que um sínodo nos diga como organizar a pastoral sobre a família e o casamento”.

Esta quarta-feira, no final da manhã, o cardeal Marx será um dos convidados da habitual conferência de imprensa no Vaticano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Rodrigo
    25 out, 2015 Lisboa 01:14
    "Os Sacramentos não andam à bulha uns com os outros." As pessoas divorciadas, se estiverem em graça podem comungar. As pessoas que vivam em adultério (divorciados recasados) não podem, pois vivem situação irregular: prometeram fidelidade até à morte quando casaram, agora quebraram essa promessa... Qualquer pecado grave priva da Graça de Deus, daí a necessidade da Confissão para poder Comungar.
  • Chris
    21 out, 2015 France 17:29
    Sou catolica e quero perguntar porque as pessoas divorciadas nao podem comungar e os Padres pedofilos o fazem? E uma vergonha a igreja catolica. Sera melhor ser casada(o) e ser morta(o) pelo companheiro do que ser divorciado e nao passar por essa crueldade de ser torturado ate a morte? Sera isso normal para a igreja catolica?
  • Christina
    21 out, 2015 France 17:24
    Sou catolica e quero perguntar porque as pessoas divorciadas nao podem comungar e os Padres pedofilos o fazem? E uma vergonha a igreja catolica.

Destaques V+