Tempo
|
A+ / A-

Reportagem

Afiar facas, Agatha Christie e a independência do Sul socialista

05 out, 2015 - 02:57 • João Carlos Malta . Fotos: Mário Cruz/Lusa

A tragédia começou bem antes deste domingo, mas teve nas urnas o desfecho que os gregos na dramaturgia clássica definiram como catástrofe. O PS que pedia maioria absoluta sucumbiu, mas o povo do Altis queria António Costa.

A+ / A-

“Não percebemos. O que é que aconteceu? Onde estão os reformados que tiveram cortes nas reformas? Onde estão os pais que viram os filhos partir? Onde estão as famílias que foram obrigadas a perder a casa?” Cristina Vasconcelos e Marlene Collaço, uma funcionária pública e uma professora, estavam atónitas ao ver os resultados que todas as televisões insistiam em repetir. Elas acreditaram até ao fim, contra tudo e contra as sondagens, mas este domingo acabou o sonho. E com estrondo.

Os socialistas entravam no momento do “pathos” (situação desesperante).

Mas este não era o estado de espírito de todos os que se deslocaram à sede de campanha do PS, no Hotel Altis, em Lisboa. Um grupo de sete socialistas, duas mulheres e cinco homens, ia matando a ansiedade com algumas piadas sarcásticas. Talvez para aliviar a tensão. Um dos homens do grupo lançou a primeira farpa: “Isto hoje ainda vai ser um filme como os da Agatha Christie, com o título ‘Quem matou o Costa’”. Risos.

Uma das companheiras embaladas na sátira respondeu logo: “Já viste que não está cá ninguém conhecido? Estão todos a afiar as facas”. Mais risos.

A conversa resvala para o futebol – um clássico quando é necessário desanuviar. Mas os comentários já anteviam o que se viria a passar a seguir. “Nem sequer temos a alegria do Benfica. Eh pá, e para estragar tudo o Porto marcou agora”. Era o primeiro (de quatro) dos portistas contra o Belenenses.

Auto-estradas e as casas de banho do metro

Ainda faltavam 45 minutos para a saída dos primeiros resultados. Um pouco mais ao lado, outro grupo colocava a conversa ao nível psicossociológico. “O Costa não gosta de falar mal de ninguém. Mas o país não entende”, lançou uma senhora na casa dos 60 anos.

O tema muda logo, à velocidade da entrada de um novo protagonista. Fala-se agora de auto-estradas. “Os transmontanos tinham direito a uma auto-estrada como os do Sul. E estou à vontade que sou transmontana.” Um sulista responde-lhe: “Olhe que na estação de metro do Campo Grande nem casa de banho há”.

O tempo passa, a sala ainda não está sequer cheia quando saem as primeiras projecções. Aproximava-se o momento do clímax, que para o PS teve o prefixo anti. Em uníssono e unanimemente dão a vitória à Portugal à Frente (coligação PSD e CDS). Os números não deitaram um balde de água fria sobre os socialistas, foi mesmo de água gelada.

Sul devia pedir a independência (como a Catalunha)

“Como é que é possível? Fogo!!!”, exclama um homem. Ao lado, há quem faça logo uma leitura mais fina dos resultados, mas também mais radical. O Norte votou laranja e azul e o Sul cor-de-rosa.

“Nós no Sul devíamos pedir a independência. Fazíamos como a Catalunha”, atirou um socialista para o ar. A revolta não ficou contida. “Vou emigrar”, disse logo ali ao lado uma mulher que aparentava mais de 40 anos. Um homem ao lado respondeu: “Daqui a dois anos vão ser um milhão e meio a sair do país.”

Uma mulher com o desespero na cara, a olhar para a subida do Bloco de Esquerda, questiona atónita: “Como é que uma pessoa vai do PS para o Bloco?”. Ao lado, um homem responde: “Foram todos contra o Costa. O PCP e Bloco têm muita culpa disto.” Uns metros à direita, uma mulher questiona: “Será que o medo e a fome afectaram assim tanto a capacidade dos portugueses em pensar?”

Mário Lourenço, de 65 anos, é engenheiro e anuncia quem ganhou. “Foi o salve-se quem puder”. E explica a imagem. Os últimos 40 anos, diz, foram de consumismo, egoísmo e a criação de um país menos solidário. O resultado, na óptica deste socialista, é que um programa como o do PS, que apoia a solidariedade, tem mais dificuldade em penetrar no eleitorado.

Fora da sala, Eurico Brilhante Dias, apoiante de António José Seguro, falava às televisões de “uma tendência clara de derrota”. O comentário imediato de um grupo de quatro amigos. “Está todo contente.”

“Costa respira”, Seguro não

Ouvem-se críticas disparadas para todo o lado: os partidos de esquerda, os meios de comunicação social, o povo que não escolheu bem, os outros.

Mas voltemos a Cristiana e Marlene, a professora e a funcionária pública, que olham para dentro do PS. “Na campanha falou-se de coisas que as pessoas não perceberam”, sentenciam.

Então Costa é culpado? Traiu Seguro, como muitos disseram, e isso não foi compreendido? “Não”, respondem em uníssono. “Este [Costa] respira. O outro não”. Pode continuar? “Não, ele tem de assumir as consequências”, disseram. Mais à frente percebeu-se que eram claramente minoritárias na sala.

O tempo passa e a sala começa a encher-se ainda mais. É sinal de que Costa está para chegar e fazer o discurso de fim de noite. Os lugares começam a ser poucos. Os “jotas” invadem a sala. A temperatura começa a subir e o suor a descer pelas testas.

Não foi tempo de confiança

Muita expectativa, até que Costa chega à sala. Sorridente e de braços no ar, lança a conversa em modo apologético. Fala da fibra de guerreiros dos socialistas.

As gargantas dos socialistas disparam numa gritaria: “COSTA, COSTA, COSTA. PS, PS, PS”.

Será que Costa se demite? “Manifestamente não”, responde.

O povo do Altis irrompe em histeria. Costa está para ficar, para dar luta, e a massa humana está contente. E até consegue levar alguns a umas tímidas gargalhadas. Mas há quem não disfarce a tristeza nos olhos. Lacrimejam.

As perguntas dos jornalistas são recebidas com enfado pela gente socialista. “Outra vez”, pontuava cada questão. Mas António Costa, sorridente, responde a todas e dá direito a duas voltas às televisões.

Passados 15 minutos termina o discurso. O povo ainda gritou à saída do secretário-geral: “Eu confio, eu confio”. A referência era ao “slogan” de campanha do PS. “É tempo de confiança”. Não foi. Foi tempo de derrota.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • rosinda
    05 out, 2015 palmela 22:15
    realmente o que tem de ser tem muitaforça !Nao valeu de nada o apoio de tanta gente da cultura nem facto do costa se sentar ao lado de luis filipe vieira !Provavelmente jesus ate lhe rogou uma praga !!
  • Jorge
    05 out, 2015 Coimbra 17:36
    O problema é que os socialistas não perceberam que as eleições ganham-se ao centro e nunca à esquerda! Se querem voltar ao poder tem que voltar ao centro, caso contrário vão diluir-se no BE!