A+ / A-

UE aposta na Educação nas margens do Douro

08 jul, 2015 - 14:14 • Teresa Almeida

Em Baião, junto ao rio Douro, uma das zonas turísticas mais procuradas por portugueses e estrangeiros, abriu uma escola de hotelaria com a ajuda comunitária.
A+ / A-

O Turismo é um sector em crescimento em Portugal. Ou, como o ministro Pires de Lima gosta de frisar, o “motor” da economia portuguesa. Daí a necessidade de investir, cada vez, mais na formação de profissionais de elevada qualidade, sobretudo, quando se trata de trabalhar em unidades de luxo, em Portugal e no estrangeiro.

Para responder a essa necessidade foi criado o primeiro hotel/escola do país, no concelho de Baião, nas margens do Rio Douro.

Os turistas já estão a usufruir da unidade hoteleira, mas os alunos só vão chegar ao “campus” no Outono. São esperados cerca de 70 para 3 cursos de pós graduação, ministrados em inglês, num projecto que só foi possível com o apoio de fundos comunitários. Mais de metade dos 13 milhões de euros investidos veio da União Europeia.

As propinas incluem as aulas, alojamento e refeições. E, apesar de ter um preço mais baixo do que os praticados noutros países, não é acessível a todas as bolsas das famílias portuguesas.

Ainda assim há quem esteja disposto a fazer sacrifícios para correr atrás de um sonho e estudar inspirado pelas paisagens do Douro. São casos que a jornalista Teresa Almeida foi conhecer.

A Renascença falou com o director da escola. Luís Correia explica como vão funcionar os cursos, as áreas que vão abranger e, muito importante, quanto podem custar.

São cursos de alta qualidade e com grande empregabilidade, para formar alunos de qualquer país, e que poderão exercer a sua actividade em qualquer canto do mundo.

O Porto School Hotel quer ser uma referência mundial. Um projecto só possível com a essencial comparticipação comunitária.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.