Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19. OMS volta atrás e pede investigação à teoria sobre acidente de laboratório

10 jun, 2022 - 11:08 • Lusa

Os cientistas disseram que "permanecerão abertos a toda e qualquer evidência científica que se torne disponível no futuro para permitir testes abrangentes de todas as hipóteses razoáveis".

A+ / A-

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou uma investigação aprofundada sobre a hipótese de a Covid-19 ter tido origem num acidente de laboratório, um ano depois de ter considerado a possibilidade "extremamente improvável".

Esta postura denota uma possível revisão da avaliação inicial da agência da ONU sobre as origens da pandemia e ocorre depois de críticos terem acusado a OMS de ter descartado com demasiada rapidez, ou subestimado, a teoria de que o vírus pode ter tido origem no Instituto de Virologia de Wuhan, a cidade no centro da China onde os primeiros casos foram diagnosticados, em finais de 2019.

A OMS concluiu, no ano passado, que aquela hipótese era "extremamente improvável".

Muitos cientistas defenderam ser mais provável que o novo coronavírus tenha sido transmitido para os humanos a partir de morcegos, possivelmente com outro animal como intermediário.

No entanto, num relatório divulgado na quinta-feira, o grupo de especialistas da OMS disse faltarem ainda "dados-chave" para apurar como a pandemia da covid-19 começou.

Os cientistas disseram que "permanecerão abertos a toda e qualquer evidência científica que se torne disponível no futuro para permitir testes abrangentes de todas as hipóteses razoáveis".

E observaram que, como os acidentes de laboratório no passado provocaram alguns surtos, a teoria do laboratório, que foi altamente politizada, não pode ser descartada.

Identificar a fonte de uma doença pode levar anos. Demorou mais de uma década para os cientistas identificarem as espécies de morcegos que serviram como reservatório natural da síndrome respiratória aguda grave (SARS), um outro coronavírus, detetado no sul da China, no final de 2002.

Um virologista que integra o grupo da OMS a investigar a origem da Covid-19 Jean-Claude Manuguerra reconheceu que alguns cientistas "podem ser avessos" à ideia de investigar a teoria do laboratório, mas disse ser preciso manter a "mente aberta" para examinar esta hipótese.

O relatório pode ressuscitar acusações de que a OMS aceitou inicialmente, sem questionar, as explicações do Governo chinês, no início do surto em Wuhan.

Alguns dos principais membros da OMS ficaram frustrados com a China durante o surto inicial, mesmo depois da agência da ONU ter elogiado o Presidente chinês, Xi Jinping. Também ficaram frustrados pela forma como a China procurou restringir a pesquisa sobre as origens da pandemia.

O ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump especulou repetidamente - sem qualquer evidência - que a Covid-19 seria originária de um laboratório chinês, e acusou a OMS "de conluio" com a China para encobrir o surto inicial.

Especialistas, citados pela agência de notícias Associated Press, disseram que nenhum estudo foi fornecido à OMS que avaliasse a possibilidade de a Covid-19 ter resultado de uma fuga de um laboratório.

Em março de 2021, a OMS divulgou um relatório sobre as origens da covid-19, depois de uma visita de cientistas internacionais à China. O relatório concluiu que a doença provavelmente passou de morcegos para humanos, e que não havia provas que sugerissem uma origem num laboratório. No entanto, depois de críticas feitas pela comunidade científica, incluindo de alguns cientistas da equipa da OMS, o diretor da agência reconheceu que era prematuro descartar aquela hipótese.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+