|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Coronavírus. Misericórdias respondem à DGS e sublinham que é “urgência séria” testar em lares

28 abr, 2020 - 02:10 • Redação

Cerca de 40% das vítimas do novo coronavírus são idosos residentes em lares.

A+ / A-
Veja também:

O presidente da União das Misericórdias Portuguesas diz que há uma dupla função nos testes à Covid-19 que torna urgente a sua realização nos lares de idosos.

“Os testes têm aqui um sintoma e uma função que vai muito para além da questão científica de saber se a pessoa está ou não está infetada. Tem um outro valor que, neste momento, é porventura muito mais importante: a garantia que estamos a dar às pessoas, aos familiares das pessoas e, sobretudo, aos nossos colaboradores que vale a pena estarmos isolados. É por isso que consideramos uma urgência séria fazer testes em todos os lares”, refere.

Manuel Lemos responde, assim, à Diretora-Geral da Saúde que, esta segunda-feira, em resposta à Renascença, explicou que a grande prioridade é testar os casos suspeitos em lares e deixar para segundo plano o teste nas pessoas assintomáticas.

Graça Freitas explicou que esse rastreio obedece a um plano, não é uma emergência em termos de tempo.

O presidente da União das Misericórdias Portuguesas continua a pedir aos provedores que enviem semanalmente dados dos lares que tutelam, sobre a situação relativa à pandemia de Covid-19. Manuel Lemos pretende tornar públicos esses dados, para garantir mais apoios e equipamento.

Cerca de 40% das vítimas do novo coronavírus são idosos residentes em lares.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.