A+ / A-

Mão criminosa? Governo fala em "estranheza" e garante investigação aos incêndios de Castelo Branco

21 jul, 2019 - 13:08 • Lusa

Questionado se terá havido mão criminosa nos incêndios, Eduardo Cabrita disse que que não cabe ao Governo nem à Proteção Civil investigar. Mas questionou: “Há uma estranheza. Como é que começam cinco incêndios de dimensão significativa numa zona muito próxima?”
A+ / A-

O ministro da Administração Interna disse este domingo que os órgãos de polícia criminal estão a investigar as causas dos incêndios que deflagraram no sábado no distrito de Castelo Branco, manifestando “estranheza” por terem começado “separados por poucos minutos”.

“Estes incêndios tiveram condições meteorológicas muito difíceis, condições orográficas favoráveis à sua projeção, muito rápida e circunstâncias que estão a ser investigadas pelos órgãos de polícia criminal”, afirmou Eduardo Cabrita em declarações aos jornalistas na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), em Carnaxide, concelho de Oeiras, distrito de Lisboa.

O ministro sublinhou que, “certamente, as autoridades judiciárias darão a devida atenção no momento próprio, dado que se iniciaram cinco incêndios com espaços bastante curtos e que começaram separados por poucos minutos”.

Questionado se terá havido mão criminosa nos incêndios, afirmou que não cabe ao Governo nem à Proteção Civil investigar esta matérias, mas sim aos órgãos de polícia criminal.

“Há sim, apontado por todas as entidades no local, pelos autarcas, pelos comandantes de bombeiros, uma estranheza” de como é que começam entre as 14:30 e as 15:30 cinco incêndios de “dimensão significativa numa zona muito próxima”.

Mas, sublinhou, “o que é fundamental neste momento é a resposta à ocorrência de Proteção Civil”.

Sobre a atuação do Sistema Integrado de Redes de Emergência de Segurança de Portugal (SIRESP), o ministro garantiu que “tem estado totalmente operacional”, adiantando que foram colocadas na zona unidades de redundância que não chegaram a ser utilizadas.

De acordo com o ministro, o Governo tem estado a acompanhar “de perto” os incêndios iniciados nos concelhos da Sertã e Vila de Rei.

Eduardo Cabrita manifestou a sua “total solidariedade” com as populações das zonas mais diretamente abrangidas pelos incêndios e deixou uma “palavra de reconhecimento” pelo “trabalho muito empenhado, muito profissional” de todos os agentes de proteção civil e pela “forma exemplar” como todas as estruturas de posicionaram no terreno.

De acordo com a página da internet da ANEPC, pelas 13h00, estão 816 operacionais apoiados por 249 meios terrestres e 13 meios aéreos a combater o incêndio ainda ativo no concelho de Vila de Rei, que se propagou ao concelho de Mação, distrito de Santarém.

Durante a madrugada foram dados como dominados dois dos três incêndios que deflagraram nos concelhos de Vila de Rei e da Sertã, distrito de Castelo Branco, mas os meios vão permanecer no terreno para prevenir reacendimentos.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • lourenço Marques
    21 jul, 2019 Portimão 15:08
    La apareceu o ministro das desculpas que ......prometeu muita coisa e fez pouca coisa Este senhor ministro e o governo depois dos granes incêndios prometeram várias coisas ...mais vigilância nas florestas ...nesta zona não havia vigilância ..outra promessa abrir asseiros parece que nesta zona havia zonas onde os bombeiros não conseguiram chegar ...tudo bem no reino do El Costa e familia