A+ / A-

De Louis Armstrong a Nirvana, incêndio destruiu décadas de gravações originais

11 jun, 2019 - 22:09 • Redação

“O maior desastre na história da indústria da música” aconteceu há 11 anos, mas só agora foi revelado por uma investigação do “New York Times”.
A+ / A-

Um incêndio nos estúdios da Universal, em Hollywood, destruiu milhares de versões originais de músicas de artistas como Louis Armstrong, Elton John ou Nirvana. A tragédia aconteceu há 11 anos, mas só agora foi revelada por uma investigação do “New York Times”.

Na altura, a companhia disse publicamente que o fogo tinha consumido uma atração do parque temático e um cofre de vídeos com cópias de trabalhos antigos.

Mas a realidade é bem mais dramática para o universo da música. As chamas também devastaram um arquivo sonoro que guardava alguns dos tesouros das últimas décadas.

A revista do “The New York Times” chama-lhe mesmo “o maior desastre na história da indústria da música”.

De acordo com a investigação jornalística, quase todos os “masters” (gravações originais) guardados no cofre foram destruídos pelo incêndio, incluindo registos de temas interpretados por músicas famosos desde a década de 40.

Num relatório confidencial datado de 2009, um ano depois do fogo, o grupo Universal Music contabilizou a perda de cerca de meio milhão de canções.

Em causa poderão estar “masters” da coleção Decca Records, dos artistas Billie Holiday, Louis Armstrong, Duke Ellington, Al Jolson, Bing Crosby, Ella Fitzgerald e Judy Garland

O fogo também terá obliterado alguns dos melhores trabalhos do mestre dos blues Chuck Berry, editados pela Chess Records, e “masters” do primeiro registo em disco de Aretha Franklin.

Praticamente todas as gravações originais de Buddy Holly foram perdidas, bem como os de John Coltrane pela etiqueta Impulse Records.

Os famosos singles “Rock Around the Clock”, de Bill Haley and His Comets; “At Last”, de Etta James; e “Louie Louie”, dos Kingsmen, também não resistiram às chamas.

A lista continua com nomes sonantes do passado e do presente da indústria musical: Ray Charles, B.B. King, the Four Tops, Joan Baez, Neil Diamond, Sonny and Cher, Joni Mitchell, Cat Stevens, Gladys Knight and the Pips, Al Green, Elton John, Eric Clapton, Jimmy Buffett, the Eagles, Aerosmith, Rufus and Chaka Khan, Barry White, Patti LaBelle, Tom Petty and the Heartbreakers, the Police, Sting, Steve Earle, R.E.M., Janet Jackson, Guns N’ Roses, Mary J. Blige, No Doubt, Nine Inch Nails, Snoop Dogg, Nirvana, Beck, Sheryl Crow, Tupac Shakur, Eminem, 50 Cent e the Roots.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.