A+ / A-

Quase 600 plantas extintas em 250 anos. “Más notícias para todas as espécies”

11 jun, 2019 - 11:40 • Redação

As plantas produtoras de sementes têm desaparecido a um ritmo de quase três espécies por ano.
A+ / A-

Nos últimos 250 anos, desaparecem da Terra 571 espécies de plantas. O alerta consta de um estudo divulgado pela revista “Nature”, que chama a atenção para o ritmo assustador da extinção de espécies de plantas.

As plantas produtoras de sementes têm desaparecido a um ritmo de quase três espécies por ano, o que é até 500 vezes maior do que o esperado como resultado apenas das forças naturais, segundo o estudo.

Os investigadores do Royal Botanic Gardens, Kew, e da Stockholm University sublinham que é a primeira vez que é feito um levantamento do género à escala mundial. Ainda assim, estimam que o número possa estar abaixo da realidade, já que alguns países não foram estudados minuciosamente.

“A maioria das pessoas consegue nomear um mamífero ou pássaro que tenha entrado em extinção, mas muito poucas conseguem fazê-lo quando falamos de plantas”, sublinha Aleys Humphreys, um dos co-autores do estudo.

O estado norte-americano do Havai lidera a lista mundial, com 79 espécies extintas, enquanto a África do Sul soma 37.

“As plantas sustentam toda a vida no planeta: fornecem o oxigénio que respiramos e a comida que ingerimos, além de serem a espinha dorsal dos ecossistemas. Portanto, a extinção de plantas representa más notícias para todas as espécies”, alerta outro investigador. “Milhões de outras espécies dependem das plantas para sobreviverem”, acrescenta Eimear Nic Lughadha.

O desaparecimento das florestas e o uso de grandes áreas de terreno para os negócios agrícolas são apontados como as principais causas da extinção de algumas espécies, assim como o desaparecimento de alguns animais, cuja função é ajudar a espalhar sementes.

Mas o estudo tem também uma parte positiva: 430 das espécies consideradas extintas reapareceram. Ainda assim, os autores sublinham que 90% das plantas redescobertas têm um “alto risco de extinção”.

No mês passado, um relatório da ONU estimou que um milhão de espécies de animais e plantas estavam ameaçadas de extinção.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Oliveira
    13 jun, 2019 Sintra 20:40
    Com a proibição que os EUA impuseram a nível mundial a planta cannabis e o cânhamo quase que eram extintas. E o interesse deles seria a implementação e substituição por nylon que tanto investiram a inventar e desenvolver. (Plástico derivado do petróleo) e o que conseguiram com isso... substituíram uma planta que talvez seja a planta mais versátil do mundo. Por plástico que ingerimos cerca de 5g por semana... enfim! Quando será que o ser humano admite que a proibição do cânhamo e cannabis foi um erro histórico e dos grandes...
  • Petervlg
    12 jun, 2019 Trofa 17:37
    mas não é isto que o Governo PS e os seus apoiantes pretendem , temos os verdes e o pan na assembleia, sem fazer nada, cortam-se milhares de arvores com dezenas e centenas de anos, isto a mando dos senhores governantes, se não as pessoas pagam multas