|
A+ / A-

CybELE

Empresa portuguesa desenvolve tecnologia para denunciar crimes ambientais

05 jun, 2019 - 14:22 • Carla Fino

Responsável explica que a tecnologia permite poupar nos recursos à investigação e que a análise das informações ajuda a compreender melhor situações no terreno para sustentar eventuais processos jurídicos.

A+ / A-

A empresa portuguesa CybELE desenvolveu uma tecnologia que, através de imagens de satélite, permite denunciar mais facilmente crimes ambientais. Oficialmente, a empresa arrancou em fevereiro deste ano, mas o CybELE é um projeto há muito sonhado e trabalhado pelo francês Robin Bouvier.

Com experiência na área do ambiente, na qual trabalhou como assessor e conselheiro em empresas e numa organização ambientalista, Bouvier percebeu que havia uma lacuna muito grande nas leis de proteção do ambiente, o que permitia incumprimentos e ilegalidades por parte das empresas.

Os satélites espalhados pelo mundo podem assim ajudar a fazer a diferença, garante Bouvier à Renascença.

“Tecnicamente usamos diferentes tipos de satélite. Temos uma parceria com o programa Copernicus, que está ligado a vários satélites a que chamamos de 'sentinelas'. Usamos as imagens que esses satélites disponibilizam e procedemos à análise dos dados. Juntamos toda a informação disponível e, dependendo do pedido do cliente, adicionamos mais detalhes à informação com análises aos dados.”


Antes e depois. Comparação de uma floresta no norte do Cambodja entre 2002 e 2015


Bouvier explica que, com esta ferramenta, poupa-se nos recursos à investigação e que a análise das informações ajuda a uma melhor compreensão de potenciais crimes para pôr em marcha eventuais processos jurídicos.

Para o especialista, o setor empresarial atingiu um limite no que diz respeito ao consumismo.

“O último século foi baseado no consumo. Percebemos que tem de haver uma economia sustentável e aqui a ideia foi gerar dinheiro e valor com algo que seja sustentável e, mais do que isso, que faça a diferença, que melhore o ambiente”, explica à Renascença. “Começámos a perceber que a Terra não é assim tão grande como dizem.”

A CybELE é ainda uma jovem empresa, integrada num centro de incubação da Agência Espacial Europeia - ESA BIC - em Portugal, mas já tem clientes de vários países. Monitorização de reservas naturais, desflorestação, poluição marítima e descargas no mar são alguns dos pedidos para a CybELE tratar.

Entre os interessados há um português, mas “não está ainda confirmado”.

“Trata-se de uma autarquia, perto de Lisboa. Vamos monitorizar a costa. Sei que têm problemas com rios e têm um parque nacional, por isso, querem que lhes forneçamos mais informações sobre estes casos. Mas, o processo está ainda em discussão”, assegura.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.