A+ / A-
"A Senhora do Monte"

Acabar com a celulite? Conheça a receita caseira que pode ajudar

05 jun, 2019 - 14:50 • Ana Rodrigues

Os segredos estão num livro editado pela Chá das Cinco que ensina a fazer produtos de higiene, beleza e limpeza da casa só com ingredientes naturais.
A+ / A-

“Não se aprende de um dia para outro”, diz Cláudia Costa que, com Tiago Lucena, lançou um livro com 70 receitas caseiras para fazer os seus próprios produtos de higiene pessoal e limpeza de casa.

“É preciso paciência, dedicação e vontade", diz à Renascença. "Mas vale a pena pelo dinheiro que se poupa e pelo bem-estar que se alcança, quando se consegue viver sem recurso a produtos químicos.”

Uma pasta de dentes com vinagre de sidra e azeite extra virgem ou um perfume com alfazema e vinagre branco, além de um champô com chá de camomila e sabão de Castela líquido são alguns dos produtos que pode fabricar em casa, com a ajuda do livro "A Senhora do Monte".

Os autores, Cláudia Costa e Tiago Lucena, são um casal que, há nove anos, decidiu “deixar a vida na cidade e o stress diário de horários frenéticos e contas sem fim para pagar, em busca da tranquilidade e da saúde que o campo proporciona”, conta Tiago.

Dizem-se nómadas digitais e já viveram no Cartaxo, na Lousã, na Sertã e em Mafra, locais onde puderam pôr em prática o amor pela agricultura biológica e a relação mais próxima com a natureza.

“A vida do campo e o contacto com as pessoas mais idosas fez surgir o gosto pelas tradições, receitas caseiras e mezinhas naturais que, por serem tão preciosas, tiveram de ser escritas. Acabaram por se transformar num blogue e depois num livro”, diz Cláudia Costa.

Para esta antiga assistente de bordo, “tudo o que foi contado e ensinado pelas pessoas do campo, de outra geração, representa um património riquíssimo de Portugal que não pode ser perdido com o tempo”.

Preservar o património e manter a tradição

A “Senhora do Monte” é, pois, um arquivo de saberes tradicionais, com receitas tradicionais feitas sem químicos, com ingredientes que a natureza oferece. Cláudia Costa garante que resultam e que “podemos mesmo dispensar os produtos de supermercado, que são caros e que em muitos casos nos fazem mal”.

A mudança, diz Tiago à Renascença, “está a acontecer. As pessoas estão cada vez mais atentas e interessadas em usar produtos saudáveis e amigas do ambiente”.

É o caso do batom de beterraba. Mais uma das receitas deste livro que, para além da beterraba, leva óleo de coco e cera de abelha. Misturas de frutos e flores que ouviram contar em aldeias do interior do país por senhoras vestidas de negro, junto a casas antigas de pedra.

E se quer acabar com a celulite, “A Senhora do Monte” mostra que basta procurar na natureza o gengibre, o óleo essencial de menta e a argila verde. Já se os seus cabelos estão secos, então pode usar cinco colheres de sopa de requeijão e duas colheres de sopa de mel para preparar um creme hidratante. Ou misturar um ovo e um abacate.

Se pudessem falar apenas de uma dessas senhoras, os autores apontariam D. Nali – uma viúva de 94 anos que deu a inspiração para o nome do livro e que partilhou muitas das suas receitas caseiras com o jovem casal.

Limpar a casa sem químicos

Se, no tempo dos nossos avós, a necessidade aguçava o engenho na procura de soluções para fazer a higiene pessoal, para a limpeza da casa não era diferente e também se recorria à natureza.

São essas combinações perfeitas que Cláudia e Tiago souberam guardar e que agora querem partilhar.

Aqui fica uma receita para fazer detergente para limpar o chão: “uma colher de sopa de sabão azul e branco, dois litros de água , uma chávena de vinagre branco e uma chávena de bicarbonato de sódio”.

Se quiser tirar nódoas antigas, também é possível: basta usar amido de milho e o ferro de engomar bem quente.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.