|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Os valores da formação em discussão na Conferência Bola Branca

03 jun, 2019 - 11:25 • Redação

Pedro Mil-Homens, diretor do centro de formação e treino do Benfica, Tomaz Morais, do departamento de formação do Sporting, e José Couceiro, diretor técnico nacional da Federação Portuguesa de Futebol, marcaram presença no auditório da Renascença.

A+ / A-

Os responsáveis pela formação em Portugal discutiram, na primeira Conferência Bola Branca, a aposta nas camadas jovens e os valores incutidos nos jogadores. Pedro Mil-Homens, da formação do Benfica, Tomaz Morais, da formação do Sporting, e José Couceiro, diretor técnico da Federação Portuguesa de Futebol, marcaram presença no painel moderado pelo jornalista da Renascença, Sílvio Vieira.

"É importante estarmos conscientes de que estamos a tratar de um ser humano. Temos de o formar para dentro e fora de campo", realçou Pedro Mil-Homens, uma teoria corroborada por Tomaz Morais: "O nosso erro é querermos saltar etapas. É querermos pegar em jovens que ainda se estão a formar e a desfrutar do jogo a ter de ganhar sempre".

"Para mim é muito mais difícil treinar um jovem ou uma criança do que um adulto. É muito mais fácil treinar adultos", adicionou Tomaz.

José Couceiro, experiente treinador e diretor técnico nacional da Federação, atribui responsabilidade pela formação dos jogadores aos clubes: "Eu não acredito em processos que se fazem pela imposição, mas sim pela educação. Temos de apostar nas pessoas. Os principais agentes são os clubes, mas o mais importante de todo o processo é o jogador. Não queremos que haja uma especialização precoce".

O valor na educação é também destacado por Pedro Mil-Homens, aconselhando os jovens que não se concentrem apenas no relvado.

"Os jovens têm de dar para a escola e têm de dar para a bola. Infelizmente no nosso país a educação não tem, hoje, a valorização que devia ter", adicionou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.