A+ / A-

Costa diz que as eleições são como o campeonato, jogam-se "até ao último segundo"

18 mai, 2019 - 15:59 • Susana Madureira Martins

O líder socialista falava esta tarde num almoço-comício em Viana do Castelo onde foi dramatizado o regresso de Pedro Passos Coelho à campanha do PSD.
A+ / A-

Almoço do PS em dia de fim de campeonato de futebol estava mesmo a pedi-las. António Costa mesmo no fim do discurso num almoço de campanha em Viana do Castelo fez mesmo questão de resumir que "as eleições são mesmo como este campeonato, jogam-se até ao último minuto", referindo-se às europeias que se realizam daqui a uma semana.

Com o sorriso que o caracteriza quando ironiza, o secretário geral alertou que é "preciso jogar, sem atirar a toalha ao chão, mas também sem deslumbramento com os resultados das sondagens", passando depois para a comparação com os jogos decisivos deste sábado da Primeira Liga, referindo que é dia a dia, minuto a minuto que se conquista o resultado", acrescentando que é isso que o partido "vai ter de fazer como as equipas que hoje estão a disputar o campeonato vão também fazer durante noventa minutos do jogo", durante a próxima semana é "lutar até ao último segundo pela vitória".

António Costa avisa os socialistas contra o entusiasmo com as sondagens agora divulgadas e que dão a vitória ao PS, mas "não se ganham eleições nas sondagens, as eleições ganham-se nas urnas com os votos que entram nas urnas e contado voto a voto é que se sabe quem vai ganhar e a dimensão dessa vitória".

É, por isso, pedida mobilização total ao partido, apesar das "boas sondagens" para que o partido não tenha "tido só uma boa previsão de um bom resultado nas sondagens, o que conta é o resultado".

Neste almoço, com algumas centenas de pessoas presentes, Pedro Marques, cabeça de lista do PS a estas eleições europeias, dramatizou o regresso de Pedro Passos Coelho à campanha eleitoral, prevista para daqui a dois dias.

"Agora vão trazer à campanha outra vez Passos Coelho. Passos Coelho que já cá veio uma vez à pré-campanha, já fez uma aparição para dizer o quê? que isto é tudo um engano, que as contas do Mário Centeno são todas um engano, e veio para aqui dizer 'é preciso é mais cortes, é preciso é voltar a fazer cortes aos portugueses', resumiu o candidato.

Para Pedro Marques a questão "é muito clara, queremos a Europa dos nossos sonhos, da alternativa construída aqui em Portugal que é hoje o programa do PSE ou queremos a Europa dos descontentamentos".

O almoço ficou marcado pela presença, de novo, de alguns representantes dos lesados do BES. Tal como em Coimbra na sexta-feira, o grupo não conseguiu aproximar-se quer de António Costa ou de Pedro Marques, mas não houve os distúrbios que marcaram a arruada de ontem.

A manhã do candidato foi passada no centro de Viana do Castelo, com passagem por várias esplanadas a cumprimentar pessoas e a entregar material de campanha. O cabeça de lista falou inclusive com turistas ingleses e espanhóis, com Pedro Marques a dizer aos jornalistas que entra "confiante" para a segunda semana de campanha.

Uma acção de campanha em Viana que nem sequer estava prevista no programa. Após a arruada de Coimbra a caravana decidiu acrescentar o contacto de rua no Alto Minho, com o candidato a garantir que "não houve mudança de ritmo" e que, de resto, "tem fácil andar na rua".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • sofia
    19 mai, 2019 Lx 11:33
    Punhos erguidos! Coisa mais obsoleta e agressiva!