A+ / A-
Economia

China interessada no porto de Sines

17 mai, 2019 - 20:29 • Redação com Lusa

“Houve manifestações de interesse muito grandes relativamente aos novos investimentos no porto de Sines, mas também relativamente a outros investimentos em outras áreas ao longo do país”, adiantou a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.
A+ / A-

O ministro dos Recursos Naturais da China manifestou interesse nos novos investimentos previstos para o porto de Sines e em outras áreas em diversos pontos do país, garantiu esta sexta-feira a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

“O ministro assumiu hoje o compromisso de mostrar a várias empresas chinesas as potencialidades do porto de Sines e do futuro terminal Vasco da Gama”, afirmou a ministra do Mar após uma reunião com Lu Hau, ministro dos Recursos Naturais da República Popular da China, que se realizou no porto de Sines, distrito de Setúbal, no âmbito da Oceans Meetin'19.

“Houve manifestações de interesse muito grandes relativamente aos novos investimentos no porto de Sines, mas também relativamente a outros investimentos em outras áreas ao longo do país, colocando várias questões sobre caraterísticas técnicas, investimento e prazos”, adiantou.

A governante, que tutela a pasta do mar no Governo de António Costa, esteve hoje no porto alentejano juntamente com uma comitiva chinesa para dar a conhecer o funcionamento e as potencialidades de investimento nesta infraestrutura portuária.

“Quanto mais concorrentes tivermos maior será a importância internacional que é atribuída ao porto de Sines e a Portugal”, sublinhou a ministra referindo-se ao Terminal Vasco da Gama cujo concurso público internacional “será lançado muito em breve”.

Com um investimento total previsto de 600 milhões de euros, o projeto do futuro terminal “está aprovado” e “todos os documentos do concurso já estão em circulação para Conselho de Ministros e, em breve, será lançado o concurso público internacional”.

De acordo com Ana Paula Vitorino, “trata-se de um investimento muito elevado e só investidores com uma grande capacidade financeira poderão concorrer e portanto é muito bom quando existem potenciais investidores ou quem possa angariar investidores que manifestam este interesse”, sublinhou.

Reconhecendo “o grande peso” que o Ministro da República Popular da China representa para este dossier, a ministra do Mar deixou claro que esta “não é a primeira manifestação de interesse” relativa à concessão do Terminal Vasco da Gama.

Quando estiver concluída, a futura infraestrutura portuária, que será construída em várias fases, “corresponderá a um investimento de cerca de 600 milhões de euros e terá uma capacidade para 4 milhões de TEU's”, acrescentou.

“É substancial e, Sines, nessa altura já estará no topo dos portos europeus com elevada capacidade e nós queremos que seja um porto que tenha uma elevada utilização e preferência por parte das grandes empresas de shipping”, realçou.

A deslocação da comitiva da República Popular da China ao porto de Sines serviu igualmente para mostrar o importante papel que Portugal e Sines, através do Terminal Vasco da Gama, poderão ter na nova Rota da Seda.

“A Rota da Seda, por via marítima, não pode deixar de abranger Portugal e existem outros projetos para o porto de Sines com interessados de outras geografias e Sines está aberto a todo o tipo de investimentos e todos os que vierem a ser feitos cumprirão com todas as exigências ambientais, eficiência e de rigor e será excelente para o país e para o mundo”.

Questionada pela agência Lusa sobre a greve às horas extraordinárias que decorre no Terminal XXI do porto de Sines, a ministra do Mar adiantou que “é extremamente importante” a paz laboral. “Sabemos que a greve que existe na afeta a operacionalidade do terminal XXI mas é absolutamente essencial para a imagem internacional do porto de Sines e daquele terminal que seja ultrapassado esse momento difícil e que Sines seja um bom exemplo em todas as matérias incluindo a laboral”, concluiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Amora Bruegas
    19 mai, 2019 Torres Novas 12:43
    E esta obra do Estado Novo, construída sem esmolas, também vai cair nas mãos dos torcionários económicos e financeiros mundiais, de esclavagistas, de abortistas e assassinos de Cristãos?