A+ / A-

Filho de Bolsonaro defende armas nucleares no Brasil

15 mai, 2019 - 08:14 • Lusa

Argumenta que o país seria "mais respeitado" se tivesse um "maior poder bélico".
A+ / A-

O Brasil deve possuir armas nucleares para que o país seja mais respeitado internacionalmente. A ideia é defendida pelo deputado brasileiro Eduardo Bolsonaro, um dos filhos do Presidente Jair Bolsonaro.

Disse que o país precisa de começar a discutir a possibilidade do desenvolver armas nucleares, em declarações realizadas perante militares numa sessão aa Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados, à qual preside.

Em sua opinião, o Brasil seria "mais respeitado" se tivesse um "maior poder bélico".

"Se contasemos com caças Gripen [que Brasil encomendou à sueca Saab), submarinos Prosub [programa sob o qual o país está a construir cinco submersíveis) e o submarino [de propulsão] nuclear, que tem maior autonomia, se tivéssemos um poder bélico maior talvez fôssemos mais respeitados pelo [Presidente da Venezuela, Nicolás] Maduro ou temido, quem sabe, pela China e pela Rússia", defendeu.

O deputado admitiu que o assunto é tabu no Brasil porque o país é signatário do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares e do Tratado de Tlatelolco, que veta armas nucleares na América Latina, mas argumentou que o país assinou ambos os documentos para não ser penalizado.

Embora o legislador não tenha mencionado isso na sua declaração perante os alunos da Escola Superior de Guerra, a Constituição brasileira também proíbe as armas nucleares no país.

Um discurso agressivo?

"É uma questão muito complicada, mas eu acho que um dia pode voltar a ser discutido aqui [no Congresso]. Quem sabe resgatamos discursos do [falecido deputado) Enéas Carneiro", afirmou, referindo-se a um candidato presidencial popular que defendia o desenvolvimento de armas nucleares no Brasil.

"São as bombas nucleares que garantem a paz no Paquistão. Como seria a relação entre o Paquistão e a Índia se apenas uma delas tivesse bombas nucleares, seria a mesma de hoje?", questionou, para responder logo de seguida: "Claro que não".

Eduardo Bolsonaro declarou-se um entusiasta dessa visão, apesar de saber que será acusado de ser um incendiário e de ter um discurso agressivo.

"Mas, na verdade, por que é que todo o mundo respeita os Estados Unidos? Porque é o único país capaz de abrir duas frentes militares, duas guerras em qualquer lugar do mundo. O terrorista, o ditador criminoso e sanguinário só respeita uma coisa: a força", sustentou.

Na mesma declaração, o congressista disse que "o politicamente correto" o impede de dizer algumas verdades sobre a crise na Venezuela.

A ditadura militar que governou o Brasil entre 1964 e 1985, da qual Jair Bolsonaro, de extrema-direita, é defensor, estudou o desenvolvimento de uma bomba nuclear, segundo documentos secretos desclassificados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Nelson Aires
    15 mai, 2019 11:18
    Querem por respeito lá fora....mas dentro de casa é um inferno. ..
  • José Joaquim Cruz Pinto
    15 mai, 2019 Ílhavo 09:59
    A melhor e talvez única maneira de o Brasil voltar a ser respeitado (tal como os Estados Unidos, a Itália, a Hungria, etc.) é empandeirarem de vez todos os IDIOTAS e FACÍNORAS que presentemente os governam, e deixarem de se enganar com a sua miserável propaganda e a das redes sociais por eles activamente manipuladas. E quanto ao IDIOTA que originou a notícia, o que mais de metade dos brasileiros e muito mais de toda a população mundial quer é que se ENCHAM - ele e todos eles - DE MOSCAS!