A+ / A-

Pedro Marques espera solução para autoestrada já construída mas ainda fechada

14 mai, 2019 - 17:39 • Lusa

O ex-ministro, que no Governo tratou esta pasta, espera que a situação seja resolvida em breve.
A+ / A-

O cabeça de lista europeu do PS afirmou esta terça-feira ter a expectativa de que esteja para breve a resolução do impasse jurídico que permita a abertura ao trânsito da nova autoestrada entre Ferreira do Alentejo e Grândola.

No final da visita à Herdade do Vale da Rosa, em que esteve acompanhado pelo ministro da Agricultura, Capoulas Santos, Pedro Marques foi confrontado com o facto de estar já concluído esse troço da autoestrada (para ligação à A2 entre Lisboa e o Algarve), mas que ainda não se encontra aberto ao trânsito por causa de um diferendo em torno dos terrenos da praça da portagem.

Uma questão que Pedro Marques, enquanto ex-ministro das Infraestruturas do Governo de António Costa, reconheceu conhecê-la "bem", relacionando-a genericamente com um problema resultante da "concessão a privados".

"Foi uma daquelas estradas que ficou a meio da ponte entre estar numa concessão e a concessionária não conseguir de facto concluir essas obras. Tenho a expectativa de que, mais cedo do que mais tarde, esses problemas legais possam ser resolvidos", respondeu.

Pedro Marques observou depois que já não é membro do Governo - o novo titular da pasta é Pedro Nuno Santos -, mas afirmou "partilhar a expectativa dos habitantes do Baixo Alentejo em relação à disponibilização dessa infraestrutura".

"É uma situação legal muito complexa", comentou o "número um" da lista europeia do PS, depois de questionado se essa situação de a autoestrada estar construída, mas fechada ao trânsito, poder até ser encarada como anedótica.

"De facto, é uma situação muito difícil de explicar às pessoas, que tem a ver com a ideia de travar a execução das concessões rodoviárias em determinado momento - e houve estradas que ficaram no meio da ponte. Neste caso, a concessionária não foi capaz de concluir aquilo que eram as obras que estavam sob sua obrigação, tudo tendo ficado num limbo jurídico que tem de ser ultrapassado", justificou o ex-ministro socialista.

Pedro Marques reforçou, no entanto, que a sua convicção é que a questão legal "será solucionada por quem tem competências executivas".

"De facto, essa não é a minha função agora", acrescentou.

A ouvir estas declarações de Pedro Marques estava o antigo deputado socialista e atual presidente da Câmara de Ferreira do Alentejo, Luís Pita Ameixa.

"Este é um caso que deixa as pessoas desta zona muito descontentes", advertiu em declarações à agência Lusa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    14 mai, 2019 Trofa 17:51
    será que alguém acredita neste fulano? basta olhar para a cara dele e esta tudo dito...