A+ / A-
Crise dos combustíveis

Costa pede “serenidade”, garante que “enquanto houver greve haverá serviços mínimos”

17 abr, 2019 - 15:20 • Redação com Lusa

Primeiro-ministro anuncia nova reunião entre as partes em conflito para possível entendimento sobre alargamento dos serviços mínimos.
A+ / A-

Veja também:


O primeiro-ministro, António Costa, apela aos portugueses para "terem serenidade". Costa falava a propósito dos efeitos da greve dos motoristas de transporte de matérias perigosas.

Em declarações aos jornalistas, Costa revelou que vai haver nova ronda negocial entre as partes em conflito. "Acreditamos que é possível as partes acordarem no alargamento dos serviços mínimos”, acrescentou o primeiro-ministro.

António Costa revelou ainda que já está identificado um grupo de condutores dentro das forças de segurança, quer nas Forças Armadas que estão habilitados para, caso seja necessário, serem chamados a fazer este tipo de transportes.

Há também militares da GNR estão de prevenção em vários pontos do país para que os camiões com combustível possam abastecer e sair dos parques sem afetarem a circulação rodoviária.

O despacho conjunto dos ministérios do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e do Ambiente e da Transição Energética estabelece o “abastecimento de combustíveis aos hospitais, bases aéreas, bombeiros, portos e aeroportos, nas mesmas condições em que o devem assegurar em dias em que não haja greve”.

Estabelece também o “abastecimento de combustíveis aos postos de abastecimento da grande Lisboa e do grande Porto, tendo por referência 40% das operações asseguradas em dias em que não haja greve”.

Está a ser afetado/a pela crise dos combustíveis? Partilhe connosco o que viu e viveu deixando o seu feedback nos comentários ou enviando as suas imagens para online@rr.pt

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.