A+ / A-

Diocese de Setúbal vai enviar parte da renúncia quaresmal para Moçambique

24 mar, 2019 - 14:16 • Redação

“Ninguém de nós pode ficar indiferente e é bom ver que as autoridades e a população portuguesa se estão a mobilizar para prestar a ajuda possível e tão necessária a quem se encontra em condições tão extremas”, diz D. José Ornelas.
A+ / A-

Veja também:


O bispo de Setúbal anunciou este domingo que parte da renúncia quaresmal deste ano será encaminhada para a arquidiocese da Beira, em Moçambique.

Em carta enviada ao clero da diocese de Setúbal, D. José Ornelas explica que a ajuda se destina a minorar as carências das vítimas do ciclone Idai, que assolou aquele território.

“Nos últimos dias, temos recebido informações dramáticas sobre as consequências trágicas do ciclone que atingiu a região central de Moçambique e outras zonas de países vizinhos, com especial gravidade na cidade da Beira. Ninguém de nós pode ficar indiferente a esta situação e é bom ver que as autoridades e a população portuguesa se estão a mobilizar para prestar a ajuda possível e tão necessária a quem se encontra em condições tão extremas”, escreve o bispo.

“Também nós, comunidade cristã de Setúbal, sentimos certamente o apelo destes irmãos e irmãs e somos desafiados a partilhar, segundo as nossas possibilidades, para aliviar as ingentes dificuldades destas pessoas”, acrescenta.

D. José Ornelas decidiu, por isso, “alterar parte dos destinatários da renúncia quaresmal deste ano”, que ficará assim estabelecida:

  • ajudar a Igreja da Venezuela na crise extrema dos pobres que a ela recorrem;
  • auxiliar a diocese da Beira a minorar as carências das vítimas do recente temporal.

“O objetivo de contribuir para o fundo de emergência da diocese, originalmente previsto nesta renúncia quaresmal, poderá ser parcialmente ajudado pelo peditório da Cáritas e será tido em conta por outras formas de ajuda”, adianta o bispo de Setúbal na carta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.