A+ / A-

Fundo Google atribui 546 mil euros a projetos de media digital em Portugal

21 mar, 2019 - 13:24 • Lusa

Desde 2016, na primeira ronda, este fundo de inovação já atribui a Portugal mais de 7.500 milhões de euros.

A+ / A-

O fundo de inovação Digital News Initiative (DNI) atribuiu 546 mil euros a seis projetos de jornalismo digital em Portugal. É o resultado da sexta ronda de financiamento, que totaliza mais de 7,7 milhões de euros acumulados, anunciou a Google nesta quinta-feira.

O fundo DNI é um programa europeu da Google News dirigido ao jornalismo na era digital para iniciar e desenvolver projetos inovadores dentro do ecossistema de notícias.

Desde a primeira ronda, em fevereiro de 2016, o fundo de inovação já atribui a Portugal 7,733 milhões de euros.

O jornal “Público”, a Região de Leiria, Açormedia, Inês Bravo – apanhado na Fake, INESC TEC e Diogo Queiroz Andrade são as entidades e pessoas que vão ser financiadas nesta sexta ronda.

A Região de Leiria, com o Easy2B, uma plataforma digital de monetização inteligente que combina os interesses dos 'publisher' de media locais e os pequenos negócios locais, tem um valor de investimento de 200 mil euros.

Já o projeto do Público, com o Fórum Público, plataforma de discussão 'online' que permite conversação em tempo real entre utilizadores e jornalistas, bem como um sistema de recompensa para encorajar utilizadores a tornarem-se membros ativos e, em última instância, subscritores, representa um investimento de 146,454 mil euros.

Os restantes quatro projetos são protótipos.

O Açormedia - 'The media and the new generation', representa um investimento de 50 mil euros e é um projeto que pretende dar voz às ecolas e promover, em simultâneo, a literacia dos media entre as gerações mais novas e ligar a região numa única plataforma que terá conteúdos com regras jornalísticas e disponível ao público em geral.

Igual investimento tem o projeto Inês Bravo - Apanhado na Fake, "com a abordagem de 'gamification' [de jogo]", dirigido a crianças entre os seis e os 12 anos que irão descobrir como podem detetar 'fake news'. Esta plataforma, de acordo com a Google, vai trabalhar com professores, jornalistas e crianças.

O INESC Tec - MAAX-360 - Multimodal Ambisonics eXperiences em vídeos interativos 360º representa um investimento de 49,990 mil euros, enquanto o de Diogo Queiroz Andrade, de 49,200 euros, denominado Notícias Hiperlocais em AR, é um protótipo dirigido para a produção e distribuição de notícias dentro de uma plataforma de realidade aumentada.

"Após três anos e seis rondas bem sucedidas, olhamos agora para o impacto que o fundo teve na indústria de notícias na Europa", refere a Google, adiantando que só na última ronda atribuíram mais de 25 milhões de euros para apoiar 103 projetos em 23 países.

"Com isto chegámos a um total de 662 projetos apoiados em mais de 30 países", acrescenta.

O total do investimento atribuído em seis rondas foi de 140,689 milhões de euros, sendo que 84,4 milhões de euros foram atribuídos a 179 grandes projetos europeus, 42,7 milhões de euros foram para 200 projetos de dimensão média, e 13,46 milhões de euros para 283 protótipos.

Mais de metade (525) das candidaturas da sexta ronda são provenientes de estreantes no fundo DNI, refere a Google.

"Estimular a inovação no seio da indústria de notícias demora tempo. Estamos a olhar para o longo prazo. É por isso que lançamos há um ano o Google News Initiative, um compromisso de 300 milhões de dólares [263,8 milhões de euros, à taxa de câmbio atual] para ajudar o jornalismo a prosperar. Enquanto parte destes esforços – e após um teste piloto na Ásia – o GNI Innovation Challenge vai chegar à Europa", concluiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+