A+ / A-

Moçambique. Arquidiocese de Braga doa 25 mil euros para a Beira

21 mar, 2019 - 07:00 • Redação

O ciclone Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) quinta-feira à noite.
A+ / A-

Veja também:


A Arquidiocese de Braga vai enviar para a Arquidiocese da Beira, em Moçambique, 25 mil euros para contribuir para ajudar a população e a reconstrução das infraestruturas após a do ciclone Idai.

O Arcebispo de Braga expressou em Nota Pastoral “a sua dor e o seu pesar” pelo sucedido, afirmando que “não podemos ficar surdos face aos clamores da terra e dos mais pobres”.

“Somos chamados a ser esperança, também nesta hora.”

D. Jorge Ortiga agradeceu ainda “todos os donativos que possam ser feitos” e anunciou que parte do Contributo Penitencial será destinado para ajudar a suprir as necessidades sentidas pelas populações afetadas.

Os donativos devem ser entregues nos Serviços Centrais da Arquidiocese de Braga (Rua de S. Domingos, 94B).

O Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na quinta-feira à noite, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país sem energia e linhas de comunicação.

A Cruz Vermelha Internacional indicou na terça-feira que pelo menos 400.000 pessoas estão desalojadas na Beira, em consequência do ciclone, considerando que se trata da “pior crise humanitária no país".

O Presidente da República, Filipe Nyusi, anunciou na terça-feira que mais de 200 pessoas morreram e 350 mil "estão em situação de risco", tendo decretado o estado de emergência nacional.

O ministro dos Negócios Estrangeiros confirmou que 30 portugueses estão por localizar após a passagem do ciclone por Moçambique e que, até ao momento, não há notícia de mortos ou feridos entre a comunidade lusa.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.