A+ / A-
França

Mais de 100 "coletes amarelos" detidos em Paris. Governo condena violência "inaceitável" e ameaça com punições "severas"

16 mar, 2019 - 19:29 • Lusa com Redação

Segundo as autoridades, 14.500 pessoas manifestavam-se em toda a França.
A+ / A-

A polícia de Paris anunciou que mais de 100 pessoas foram detidas este sábado devido aos violentos distúrbios ocorridos durante os protestos dos "coletes amarelos" na capital francesa.

No 18.º fim-de-semana consecutivo de manifestações contra o presidente Emmanuel Macron, várias lojas foram pilhadas e incendiadas no centro de Paris e os manifestantes confrontaram a polícia, que respondeu com gás lacrimogéneo e canhões de água.

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, que se deslocou aos Campos Elísios, a avenida que atravessa o centro de Paris, para mostrar apoio à polícia antimotim e aos bombeiros, prometeu "punir severamente" os radicais responsáveis pela violência "inaceitável".

Philippe considerou que "os que desculpam ou encorajam" tais atos tornam-se "cúmplices".

O ministro do Interior, Christophe Castaner, criticou a ação de "profissionais da desordem" e pediu ao responsável pela polícia para responder "com a maior firmeza".

Castaner indicou que cerca de 1.500 militantes "ultraviolentos" se infiltraram entre os cerca de 10.000 que se manifestaram em Paris.

Segundo as autoridades, 14.500 pessoas manifestavam-se em toda a França.

O número de manifestantes tinha vindo a diminuir nos últimos fins de semana e os organizadores esperavam dar hoje nova vida ao movimento.

As ações de hoje marcam também o fim de um debate nacional organizado por Macron durante dois meses para responder às preocupações dos manifestantes: diminuição do nível de vida, salários estagnados e elevado desemprego.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.