|
A+ / A-

​Portugal vai ter novo plano contra incêndios

14 mar, 2019 - 00:14 • Celso Paiva (Renascença) e Ana Fernandes (Público)

Tiago Oliveira, presidente da Agência para a Gestão Integrada dos Fogos Rurais (Agif), revela em entrevista à Renascença e ao Público que já entregou às autoridades um novo plano nacional contra incêndios.

A+ / A-
Tiago Oliveira. Se não gerir o terreno, o proprietário “tem de o vender”
Tiago Oliveira. Se não gerir o terreno, o proprietário “tem de o vender”

Veja também:


Depois de ter estado na equipa que preparou uma proposta, após os trágicos incêndios de 2003-2005, de um plano de defesa da floresta contra incêndios, Tiago Oliveira volta a estar na génese do seu substituto. Nas mãos do Governo está agora um novo plano, com quatro medidas para tentar contrariar o fatalismo dos fogos.

“Acabámos de entregar o Plano Nacional de Gestão Integrado de Fogos Rurais que tem quatro grandes objetivos”, afirma o especialista.

O primeiro passa por “valorizar o território, ou seja, os proprietários têm de ter rendimento da terra porque senão não vão tomar conta dela. Isto envolve uma partilha de valor de risco com o Estado e com todas as fileiras industriais”, explica.

“Segundo: cuidar do território, gerir. Tem de ser necessário trabalhar a terra em cerca de 100, 200, 300 mil hectares por ano para que os incêndios não progridam em sítios estratégicos”, adianta Tiago Oliveira.

Em terceiro lugar, é preciso “alterar os comportamentos - as pessoas têm de se relacionar de forma diferente com o território, reduzindo ignições”.

“E por fim temos de gerir eficientemente os recursos de prevenção e combate para produzir resultados. É possível, estamos no caminho, temos de estar todos alinhados com a mudança”, explicou o engenheiro florestal.

Ainda não se sabe quando este plano estará aprovado uma vez que acabou de ser entregue às várias entidades envolvidas. “Julgo que haverá um processo de discussão pública”, adiantou.

Sendo uma das linhas a rentabilidade dos proprietários, estarão previstos apoios estatais? “Terá de haver também formas diferentes de fazer. Não são só os meios, são as formas de como nos organizamos para produzir um resultado diferente. Como fazíamos não resultou”, conclui.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.