A+ / A-

Papa reduz antigo cardeal McCarrick ao estado laical

16 fev, 2019 - 09:20 • Redação

Foi um dos clérigos mais influentes dos Estados Unidos. É agora considerado culpado de vários crimes de abuso sexual. É a primeira vez que um cardeal é condenado por abusos.
A+ / A-

O Vaticano anunciou, neste sábado de manhã, a redução ao estado laical do ex-cardeal Theodore Edgar McCarrick. É a primeira vez que tal pena é aplicada a um membro do Colégio dos Cardeais.

O comunicado agora emitido vem confirmar o decreto do Congresso da Congregação para a Doutrina da Fé, de 11 de janeiro, que considerava aquele cardeal culpado de vários crimes de abuso sexual.

Theodore Edgar McCarrick é considerado culpado de solicitação de natureza sexual durante o sacramento da confissão e de atos de natureza sexual com menores e adultos – o que o comunicado refere como “pecados contra o Sexto Mandamento” – com “a agravante de abuso de poder”.

O Congresso impôs-lhe, por isso, a pena da redução ao estado laical. McCarrick decidiu, contudo, recorrer da decisão.

Os argumentos apresentados no recurso foram analisados em 13 de fevereiro, em sessão ordinária da Congregação para a Doutrina da Fé, e não tiveram deferimento. Ficou, assim, confirmado o decreto do Congresso da mesma Congregação.

A decisão final foi comunicada a Theodore McCarrick, arcebispo emérito de Washington, D.C, em 15 de fevereiro.

Este sábado, “o Papa reconheceu a natureza definitiva da decisão, tornando-a “res iudicata” (qualidade conferida a uma sentença judicial contra a qual não cabem mais recursos).

Veja aqui um resumo da história da desgraça de McCarrick.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquims Santos
    16 fev, 2019 TOJAL 22:16
    Nos meados do século XX, a conhecida escola de Frankfurt difundiu, com êxito que a via cultural era o meio ideal para atingir uma sociedade sem classes a nível global. Esta escola também promoveu formas directas para destruir por dentro a Igreja Católica, uma delas foi infiltrar nesta agentes seus. Estes agentes assumiram-se grandes convertidos, e muitos se tornaram candidatos ao sacerdócio, formaram-se brilhantes teólogos que ainda hoje dirigem seminários e universidades, predominantemente nos Estados Unidos, Alemanha e Itália. A sua teologia isenta de dogmas, corroí por dentro a doutrina de Cristo, e por fora dá-lhe os escândalos da pedofilia que a abalam aos olhos do mundo. Exibem-se muitas das vezes alegres e sorridentes perante as câmaras da televisão, claro atingiram o seu objectivo perverso. O sorriso cínico torna a atitude ainda mais perversa.
  • Gabriel Silva
    16 fev, 2019 Senhora da Hora 12:59
    Convinha corrigirem o titulo da notícia, pois que o não houve qualquer «reducção ao estado laical», pois nem sequer é pena prevista no Código Canónico. Houve sim «demissão do estado clerical». A primeira era uma pena prevista no Código Canónico de 1917, mas que foi substítuida pelo actual código vigente que é de 1983.
  • 16 fev, 2019 11:07
    Va la a gente entender as pessoas"enquanto esse senhor se suicidou por causa da mae"a luciana abreu parece que tem vontade de matar a dela! Como sera sera que as criancas vao reagir quando crescerem"se calha viram-se contra a mae!