A+ / A-

Funcionários da PJ marcam reunião geral para quarta-feira à porta da sede

12 fev, 2019 - 18:30 • Lusa

Depois da reunião, os funcionários da PJ vão entregar uma carta aberta à ministra da Justiça.
A+ / A-

Os funcionários da Polícia Judiciária (PJ) vão realizar na quarta-feira uma reunião geral de trabalhadores junto ao edifício sede da PJ, em Lisboa, e depois vão entregar uma carta aberta à ministra da Justiça.

Os investigadores, seguranças e funcionários administrativos da Polícia Judiciária terminam esta terça-feira sete dias de greve parcial, que, segundo as associações sindicais, “foi um sucesso”, com uma taxa de adesão a rondar os 85%.

“Foi um momento histórico na vida da instituição. Percebeu-se bem a indignação e a revolta das pessoas com a falta de investimento na PJ”, disse à agência Lusa Ricardo Valadas, presidente da Associação Sindical dos Investigadores criminais (ASFIC/PJ).

Questionado pela Lusa sobre as reivindicações dos funcionários da PJ, o Ministério da Justiça respondeu que está “a trabalhar na revisão da estrutura orgânica da Polícia Judiciária e do estatuto do respetivo pessoal e já deu início ao procedimento relativo concurso externo para ingresso na carreira de inspetor”.

O ministério de Francisca Van Dunem realçou também que está a avaliar, juntamente com “a área governativa responsável pelo emprego público e pelo orçamento”, o Ministério das Finanças, as questões relativas ao pagamento do subsídio de risco.

Representantes das associações sindicais e ministra da Justiça estiveram recentemente reunidos, mas, segundo Ricardo Valadas, “não houve respostas formais, nem garantias” que impedissem os trabalhadores de continuar as formas de luta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.